Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

PRTB nega entregar comando a Bolsonaro e presidente continua sem partido

Auxiliares do presidente afirmaram que não faria sentido Bolsonaro ir para um partido pequeno e não ter o total controle sobre ele

Brazilian President Jair Bolsonaro (2-L) waves during a demonstration by farmers against the Supreme Court and calling for the end of COVID-19 restrictions, in Brasilia, on May 15, 2021 – The rally’s organizers have called for conservative “soldiers” to protest the “craziness” of pandemic stay-at-home measures and Brazil’s Supreme Court, which allowed local authorities to impose such policies over Bolsonaro’s objections. (Photo by EVARISTO SA / AFP)

A presidente nacional do PRTB, Aldineia Fidelix, negou entregar a Jair Bolsonaro o comando da legenda. A decisão da viúva de Levy Fidelix inviabiliza a entrada de Bolsonaro no partido. A informação foi confirmada pelo Estadão por um integrante do PRTB próximo da família Fidelix.

A negociação era conduzida pelos filhos do fundador da legenda após a morte do pai. O fator determinante para a filiação de Bolsonaro seria a disposição da legenda em dar carta branca a ele para alterar o comando de diretórios estaduais e ter peso nas decisões da Executiva Nacional. Essa condição, porém, não foi aceita.

Em abril, Bolsonaro recebeu os três filhos de Levy Fidelix em Brasília. Levy Filho, Karina e Lívia estiveram no Palácio da Alvorada em uma reunião que também contou com a presença de Karina Kufa, advogada eleitoral do presidente, e do ministro do Turismo, Gilson Machado.

Levy Filho, que é secretário-geral do PRTB, e desempenha o papel de articulador político da sigla, era o mais entusiasta da ideia de filiar Bolsonaro no partido. Ele se dispôs a dar total controle ao presidente da República. No entanto, a irmã Karina Fidelix resistia. Ela tem pretensões de exercer, junto com o marido, Rodrigo Tavares, presidente do PRTB-SP, o comando da legenda. Livia, por sua vez, não demonstrou ter opinião fechada sobre dar ou não o aval a Bolsonaro para tomar o PRTB da família.

Auxiliares do presidente da República afirmaram que não faria sentido Bolsonaro ir para um partido pequeno e não ter o total controle sobre ele. Há também negociações com outras siglas, como PMB, que mudou o nome para Brasil 35, e Democracia Cristã (DC). O presidente havia dito que definiria seu destino partidário até o fim de abril, antes disso, Bolsonaro havia dado o mês de março como prazo para sua decisão. Até agora, porém, não definiu seu destino.

As frustradas negociações para a ida ao PRTB e também para um eventual retorno ao PSL contribuíram para o atraso na escolha do destino. O vice-presidente do PSL, Antonio Rueda, era quem liderava o diálogo com Bolsonaro. Auxiliares do presidente disseram ao Estadão que a volta dele à antiga sigla está descartada.

A avaliação foi a de que Rueda fez várias promessas de entregar o comando do partido a Bolsonaro, mas recuou na hora de se comprometer e firmar um acordo sobre isso. Bolsonaro deixou o PSL em novembro de 2019 após desavenças com o presidente da sigla, o deputado Luciano Bivar (PE).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O principal motivo para a saída foi a briga por causa do controle do caixa da legenda. Em 2018, o PSL se tornou uma superpotência partidária ao eleger o presidente, 54 deputados, quatro senadores e três governadores, na esteira do bolsonarismo. Com isso, a legenda deve ter neste ano a maior fatia dos recursos públicos destinados a partidos, de R$ 103,2 milhões.

O Estadão ouviu de integrantes da cúpula do PSL que, para voltar à sigla, Bolsonaro cobrou um “alinhamento ideológico” e a expulsão de deputados que têm feito críticas mais fortes a ele, como Júnior Bozzella (PSL-SP), Julian Lemos (PSL-PB), Joice Hasselmann (PSL-SP) e Delegado Waldir (PSL-GO).

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar