Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Projeto para criação de tribunal federal em Minas Gerais avança no Senado

O projeto foi enviado ao Congresso quando a corte era presidida pelo ministro João Otávio de Noronha, aliado do presidente Jair Bolsonaro

Por FolhaPress 22/09/2021 6h37

Washinton Luiz
BRASÍLIA, DF

A CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado aprovou nesta quarta-feira (22) a criação de um tribunal regional federal em Minas Gerais. O projeto, de autoria do STJ (Superior Tribunal de Justiça), foi enviado ao Congresso quando a corte era presidida pelo ministro João Otávio de Noronha, que é mineiro e aliado do presidente Jair Bolsonaro.

A proposta estava parada na Casa desde agosto de 2020, quando havia sido aprovada pela Câmara dos Deputados. De acordo com o texto, que ainda precisa ser votado no plenário, o TRF-6 terá sede em Belo Horizonte. Os defensores da medida afirmam que ela irá desafogar os processos que se amontoam no TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), sediado em Brasília e que hoje atende, além do Distrito Federal e de Minas Gerais, os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Ao justificar a necessidade do novo tribunal, o relator Antonio Anastasia (PSD-MG) argumentou que a corte não terá custo adicional para a Justiça Federal porque os recursos seriam redistribuídos para o TRF-6 e os 18 cargos de juízes federais seriam criados a partir de postos vagos de juízes com salários já previstos no Orçamento.

“O projeto não promove aumento de despesa. A criação de cargos e funções nele prevista se dá com correspondente extinção de outros cargos e funções, de modo a não gerar impacto orçamentário”, destacou Anastasia. Cálculos preliminares de especialistas, no entanto, apontam para um gasto anual ao menos R$ 30 milhões maior -sem considerar concursos futuros para preenchimento de eventuais vagas novas, por exemplo.

O projeto também extingue 145 cargos efetivos do TRF-1 e da primeira instância para que sejam criados 44 cargos de analista judiciário e 74 funções comissionadas e cargos em comissão. Os salários serão entre R$ 1.379,07 para o cargo mais baixo e R$ 14.607,74 para o de maior remuneração.

Os 18 cargos de juízes poderão ser preenchidos de uma vez com nomeações de um único presidente da República, hoje Bolsonaro, a partir de listas preparadas por Judiciário, Ministério Público e OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).
Para críticos da iniciativa, o novo tribunal pode ser alvo de tentativas de ingerência de políticos locais, por abranger só um estado -será o único TRF com essa característica no país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os tribunais regionais federais julgam em segunda instância os recursos nos processos de competência da Justiça Federal. Em geral, os casos mais complexos e com repercussão interestadual relativos a corrupção, lavagem de dinheiro e improbidade administrativa tramitam nessas cortes.

Atualmente, os recursos da Justiça Federal mineira são encaminhados para o TRF-1. Segundo dados do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o tribunal é o que tem maior volume de trabalho por magistrado. Relatório de 2018 indicava que cada juiz da corte era responsável por 26 mil processos, quase o dobro da carga média nos TRFs, que era de 13,9 mil.

Dos mais de 465 mil processos que chegaram ao TRF-1, 155 mil correspondiam ao estado de Minas Gerais, o que equivale a aproximadamente 35%. “Embora haja estados na 1ª Região com extensão territorial superior à de Minas Gerais, o volume de processos que tramitam em suas respectivas seções judiciárias é notadamente inferior, o que também é reflexo de sua menor população”, afirmou Anastasia para justificar a criação do novo tribunal.

A taxa de congestionamento, que mede o percentual de processos represados sem solução, também é alta no TRF-1. Segundo o Observatório da Estratégia da Justiça Federal, o índice no ano de 2019 foi de 67,3%, perdendo apenas para a do TRF-3 (69,9%), que cuida de São Paulo e Mato Grosso do Sul. Na Câmara, o projeto foi aprovado sob críticas do então presidente da Casa, Rodrigo Maia. À época, o texto contou com lobby do centrão e passou à frente de votações de medidas de enfrentamento da pandemia da Covid-19.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar