Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Policial da reserva, Queiroz é vacinado e critica isolamento: ‘vamos trabalhar’

Antes de ganhar liberdade, em março, o amigo de longa data do presidente Jair Bolsonaro estava em prisão domiciliar

Livre após decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Fabrício Queiroz tomou a vacina contra a covid-19 e registrou o momento em seu Instagram, restrito a pouco mais de 700 seguidores. “Vacina sim, look Down (sic) já mais (sic). Vamos trabalhar”, escreveu o policial militar da reserva.

Denunciado como operador do esquema de “rachadinhas” – devolução do salário de assessores – do senador e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Queiroz tem 55 anos. Na denúncia do Ministério Público do Rio, ele é acusado de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Antes de ganhar liberdade, em março, o amigo de longa data do presidente Jair Bolsonaro estava em prisão domiciliar – também por causa do STJ, que lhe deu o direito depois dele passar quase um mês preso no ano passado. A prisão preventiva solicitada pelo MP e autorizada pela Justiça do Rio tinha como justificativa a suposta tentativa dele de atrapalhar as investigações.

Desde que ficou livre, Queiroz voltou a marcar presença na rede social. Antes de registrar a vacinação, compartilhou no início do mês imagens de manifestações bolsonaristas e se disse “pronto para o combate” num vídeo em que aparece de sunga e presta continência. A publicação da vacina recebeu curtidas de nomes como o deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ) e a segunda ex-mulher de Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle. O presidente da República ainda não tomou a vacina, mesmo tendo idade para isso.

Em outra publicação recente, o policial da reserva aparece sorrindo em uma selfie para comemorar que foi aprovado no exame psicológico da PM, feito para solicitar o porte de arma. “Exame psicológico deu positivo, talkey!!!!!”, escreveu. Ele também compartilhou um vídeo do guru bolsonarista Olavo de Carvalho falando sobre “comunismo”.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar