Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Paulo Coelho ataca Flávio Bolsonaro por compra de mansão

“Nos filmes e na vida real: ladrão sempre tem compulsão de gastar dinheiro roubado”, escreveu Coelho

O escritor Paulo Coelho usou as redes sociais para criticar a compra de uma mansão em Brasília por parte do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Flávio é investigado por desviar R$ 6,1 milhões quando ainda era deputado, e a mansão custou R$ 6 milhões.

“Nos filmes e na vida real: ladrão sempre tem compulsão de gastar dinheiro roubado”, escreveu Coelho, no Twitter, na noite de terça-feira (2).

Flávio não respondeu a declaração, mas já havia dito que a casa comprada por ele e pela esposa, a dentista Fernanda Antunes Bolsonaro, foi adquirida com “recursos próprios” somados a um financiamento imobiliário.

“A casa foi comprada com recursos próprios, em especial oriundos da venda de seu imóvel no Rio. Mais da metade do valor da operação ocorreu por intermédio de financiamento imobiliário”, afirmou Flávio em nota, que complementa. “Tudo registrado em escritura pública. Qualquer coisa além disso é pura especulação ou desinformação por parte de alguns veículos de comunicação.”

O imóvel fica no setor de Mansões Dom Bosco, no Lago Sul, bairro nobre da capital federal. A propriedade tem 1,1 mil m², com quatro suítes, academia, piscina e spa com aquecimento solar. O anúncio de venda informava que se tratava da “melhor vista de Brasília da suíte master”. Um vídeo com detalhes da casa fazia parte da publicidade para a venda do imóvel, de propriedade da RVA Construções e Incorporações. O material foi tirado do ar após a divulgação do caso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conforme registro no 1.º Ofício de Registro de Imóveis do Distrito Federal, no dia 2 de fevereiro, a casa foi comprada pelo preço de R$ 5,97 milhões. Flávio registrou o imóvel em um cartório de Brazlândia, município de perfil rural localizado a 50 km do Plano Piloto.

O salário bruto de um senador é de R$ 33.763, que, após descontos, cai para R$ 24,9 mil. O valor do novo imóvel é mais que o triplo do total de bens declarados por Flávio à Justiça Eleitoral em 2018, quando disputou vaga no Senado. Na ocasião, ele declarou um total de bens de R$ 1,74 milhão, incluindo um apartamento na Barra da Tijuca, no Rio, no valor de R$ 917 mil.

Investigação

Flávio e sua mulher foram denunciados pelo Ministério Público do Rio. A Promotoria acusa o senador de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa envolvendo um esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio, quando ele era deputado estadual. Segundo o MP fluminense, a organização criminosa “comandada” pelo filho do presidente desviou R$ 6,1 milhões dos cofres da Alerj.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na denúncia, os promotores citam transações imobiliárias como forma de lavar dinheiro obtido nas “rachadinhas”. Segundo as investigações, Flávio e sua mulher compraram, em novembro de 2012, dois apartamentos em Copacabana. Os preços foram mais baixos do que os que tinham sido pagos pelos proprietários. Em dois anos, os imóveis foram vendidos pelo casal com lucros pouco usuais.

Um dos apartamentos fora comprado pelo primeiro proprietário por R$ 200 mil, em março de 2011. Tinha sido vendido ao casal em novembro de 2012 por R$ 140 mil, afirma a denúncia. Em fevereiro de 2014, o então deputado e sua mulher repassaram o imóvel por R$ 550 mil, uma valorização de 292,85%. “Essa prática de subfaturamento de registros imobiliários na compra possibilita a simulação de ganhos de capital em patamares expressivos na ocasião da revenda, razão pela qual são instrumentos corriqueiramente utilizados para lavagem de capitais”, afirmam os promotores.

Flávio nega as acusações e diz ser vítima de uma investigação ilegal que busca atingir seu pai.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com informações do jornal O Estado de S.Paulo






Você pode gostar