Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Cartório comunica Coaf sobre compra de mansão de R$ 6 milhões por Flávio Bolsonaro

Segundo informações do cartório em que a compra foi registrada, a transação foi comunicada ao Coaf pelo fato de Flávio ser uma “pessoa exposta politicamente”

Foto: Alerj/Divulgação

Camila Mattoso
Brasília, DF

Responsável por identificar as transações suspeitas de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) foi comunicado sobre a mansão de R$ 6 milhões adquirida pelo filho do presidente Jair Bolsonaro.


Segundo informações do cartório em que a compra foi registrada, a transação foi comunicada ao Coaf pelo fato de Flávio ser uma “pessoa exposta politicamente”.


A compra do imóvel foi revelada pelo site O Antagonista. Dos quase R$ 6 milhões pagos pela mansão, Flávio deu uma entrada de R$ 2,87 milhões e o restante foi feito por meio de um empréstimo no BRB (Banco de Brasília).


O senador é acusado de desviar cerca de R$ 6,1 milhões da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) no esquema conhecido como “rachadinha”, quando funcionários do gabinete devolvem parte dos seus salários. O MP-RJ denunciou Flávio, Queiroz e outros ex-servidores de seu gabinete por peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Em casos que envolvem políticos e familiares, desde o ano passado, todos registradores e notários são obrigados a comunicar ao Coaf sobre as transações. A obrigação foi instituída pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) em fevereiro de 2020 por meio do provimento nº 88.


A normativa “dispõe sobre a política, os procedimentos e os controles a serem adotados pelos notários e registradores visando à prevenção dos crimes de lavagem de dinheiro”.


No ato do registro, o cartório deve consultar o cadastro eletrônico de “pessoas expostas politicamente” via o Siscoaf, sistema do Coaf utilizado por todos os setores obrigados a comunicar transações suspeitas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Segundo as regras impostas pelo CNJ, os cartórios devem dedicar “especial atenção à operação ou propostas de operação envolvendo pessoa exposta politicamente, bem como com seus familiares, estreitos colaboradores ou pessoas jurídicas de que participem”.

As informações são da Folhapress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar