Política & Poder

Opinião: um desastre chamado Bolsonaro

“Basta! Não podemos continuar assistindo a enterros coletivos em valas comuns como se estivéssemos perdendo e sendo massacrados numa guerra”

Por José Américo Silva*

Bolsonaro não tem condições de governar nem uma republiqueta de bananas, muito menos um país como o Brasil

É inadmissível assistir a todo este caos que vive o povo de Manaus, a capital do Estado do Amazonas e ficar de braços cruzados.

O negacionismo propagado pelo presidente da república Jair Bolsonaro e seus seguidores é sem dúvida o maior responsável pelo estado de calamidade pública que se instalou na região, isso, sem falar, nas proporções catastróficas que a pandemia do coronavírus já causou em nosso país.

Já são mais de 210 mil mortes e o Bolsonaro continua chamando a covid-19 de gripezinha, dizendo que “todos vamos morrer um dia” e que o “governo fez a sua parte”. Se “fazer a sua parte” é negar a pandemia, promover aglomerações e negar a necessidade do cumprimento das medidas sanitárias como utilização de máscaras, distanciamento social e higienização das mãos. Isso não é apenas um gesto isolado, isso é uma atitude deliberada de promoção do caos na saúde pública, caos este, que já vitimou pais, mães, filhos, proporcionando sofrimento, desespero e arrasando famílias inteiras em todas as regiões do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como se não bastasse, as atitudes irresponsáveis de Jair Bolsonaro e seus asseclas, condenam o país a um desastre socioeconômico jamais visto na história do Brasil. Negar a pandemia e negar a necessidade das medidas sanitárias recomendadas pela Organização Mundial da Saúde não se trata apenas de ignorância, trata-se de uma maldade premeditada pois é no ambiente de caos social que ideologias de extrema-direita acham terreno fértil para se propagar e se estabelecer. E essa é a intenção de Jair Messias Bolsonaro.

Porém e antes de mais nada, as consequências de tais atitudes, certamente levarão o país a uma das mais graves recessões econômicas de todos os tempos. Ao negar a pandemia e ao negar deliberadamente a necessidade de uma vacina que combata o vírus da Covid-19, Bolsonaro e seu governo vão de encontro à necessidade de se restabelecer ou, pelo menos, tentar impedir, a disseminação do vírus através da imunização coletiva e assim, buscar restabelecer as atividades econômicas, de forma gradativa e segura, aos patamares da normalidade…

O que estamos assistindo hoje no Brasil são as consequências de um desgoverno que, abandonando a gestão estratégica e coordenada da saúde pública em níveis nacionais, por questões ideológicas e partidarismo político, compromete a vida dos brasileiros, agora e consequentemente, no futuro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As sequelas deixadas por esta pandemia, vão muito além das mortes e complicações secundárias da doença naqueles que foram vitimados pelo vírus. As consequências serão vistas e sentidas no atraso da vida educacional de gerações, principalmente, nas camadas menos favorecidas da população.

Assistir às instituições democráticas e de Estado, ficarem de braços cruzados, contemplando os desmandos do Governo Federal, também, é inadmissível.

O presidente Jair Bolsonaro tem que ser responsabilizado pelo que está acontecendo e provas dessa responsabilidade não faltam. Estão nas declarações ditas lá atrás, afirmando que a covid não passava de uma “gripezinha”, quando desdenhou das mortes quando elas alcançaram o patamar de 200 mil vítimas fatais, quando circulou pelas ruas da Capital Federal e de tantas outras cidades pelo Brasil sem utilizar máscaras, promovendo aglomerações e até mesmo fazendo chacota sobre a vacina. Mais recentemente em atos populistas, promovendo aglomerações, até mesmo, dentro do mar, em praias do litoral Paulista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se tudo isso não configura crime de responsabilidade por se tratar de postura inadequada praticada por um Chefe de Estado, o poder judiciário e o poder legislativo, nas figuras do Supremo Tribunal Federal (STF) e Congresso Nacional, devem explicações à população brasileira.

Basta! Não podemos continuar assistindo a enterros coletivos em valas comuns como se estivéssemos perdendo e sendo massacrados numa guerra onde brasileiros não podem contar, nem mesmo, com a defesa das tropas do Estado e são jogados à própria sorte.

Bolsonaro não tem condições de governar nem um republiqueta de bananas, muito menos um país como o Brasil.

Estamos vivendo um desastre, chamado Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

*José Américo Silva é jornalista

** Este texto não reflete a opinião do Jornal de Brasília.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar