Menu
Política & Poder

Ministra do STJ vê ‘arrogância’ de desembargador que negou preferência a advogada grávida

Ministra Daniela Teixeira atribuiu arrogância e falta de humanidade ao desembargador Luiz Alberto Vargas que ignorou pedido de uma advogada

Redação Jornal de Brasília

03/07/2024 16h20

Foto: Reprodução

A ministra Daniela Teixeira, do Superior Tribunal de Justiça, atribuiu ‘insensibilidade, arrogância e falta de humanidade’ ao desembargador Luiz Alberto Vargas que ignorou pedido de preferência de uma advogada grávida de oito meses em sessão do Tribunal Regional do Trabalho da 4.ª Região (TRT-4), em Porto Alegre. Marianne Bernard ficou na fila de espera durante sete horas, mesmo tendo alertado o magistrado que ‘não estava se sentindo bem’, em sessão virtual realizada na última quinta, 27.

O Estadão tem reiterado pedidos de manifestação a Vargas. Ele não respondeu. O espaço está aberto.

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado