Menu
Política & Poder

Lula chega ao Egito em meio às negociações de paz em Gaza

Autoridades dos EUA, Egito, Israel, Qatar e do grupo Hamas se reuniram no Cairo nesta terça, em mais uma tentativa de costurar

Redação Jornal de Brasília

14/02/2024 18h26

Foto: Youtube/Ricardo Stuckert/PR

RENATO MACHADO

CAIRO, EGITO (FOLHAPRESS)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) desembarcou na manhã desta quarta-feira (14) no Cairo, capital do Egito, para o início de uma viagem de quase uma semana no continente africano. A chegada ao país acontece em um momento de tensão na região, com a ameaça de Israel de ampliar suas operações militares em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

A cidade onde o brasileiro permanecerá dois dias também está sendo palco de uma negociação de um cessar-fogo na região, que envolve autoridades do Egito, do Hamas, de Israel, do Qatar e dos Estados Unidos.O presidente chegou por volta das 9h no horário local (4h em Brasília) e seguiu para o Palácio Qubba, um dos prédios do regime egípcio destinado a hospedar líderes estrangeiros. Ele foi recebido na pista do aeroporto pelo ministro do Turismo e Antiguidades, Ahmed Issa.

Lula não terá compromissos oficiais nesta quarta. O presidente aproveitou o tempo livre para visitar as pirâmides no Cairo e também o Novo Museu do Egito, que ainda não foi aberto ao público oficialmente. Na programação, os eventos apareceram apenas como “agenda particular”. Ele estará acompanhado da primeira-dama, Rosângela Silva, a Janja.

O presidente já previa tratar da guerra entre o grupo terrorista Hamas e Israel durante a sua viagem ao Egito. Esse será um dos tópicos da conversa a portas fechadas com o ditador egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, na manhã de quinta-feira (15). Os dois também assinarão atos.

“Durante a visita, deverão ser tratados os principais temas da agenda bilateral, nas áreas de comércio, investimentos, cooperação técnica, cooperação em educação e cooperação em defesa. Os dois presidentes deverão tratar, igualmente, de temas regionais e multilaterais, tais como mudança do clima, reforma das organizações internacionais e conflito Israel-Palestina”, informou o Itamaraty.

Na tarde desta quinta, o presidente vai visitar a sede da Liga Árabe, onde há a expectativa de que ele discurse numa sessão plenária extraordinária. Como a Folha mostrou, a tendência é que Lula fale em favor de um cessar-fogo na região, condene as mortes de mulheres e crianças durante o conflito e a defesa de um Estado Palestino viável economicamente.

O presidente depois embarca para a Etiópia, onde vai participar da cúpula da União Africana e terá encontros bilaterais com presidentes do continente, às margens do evento.

Seus interlocutores afirmavam que inicialmente haveria todo um cuidado do presidente em suas falas no Egito para que elas não soassem como um discurso anti-Israel. No entanto, com a mudança no cenário nos últimos dias, pode haver uma condenação mais forte ao lado israelense.

Israel planeja expandir seu ataque terrestre para a cidade de Rafah, onde mais de 1 milhão de palestinos buscaram refúgio da ofensiva que devastou grande parte da Faixa de Gaza desde que integrantes do Hamas atacaram Israel em 7 de outubro.

Por outro lado, também na cidade do Cairo, autoridades dos países envolvidos na negociação de um cessar-fogo apontaram alguns avanços nas tratativas.

Autoridades dos EUA, Egito, Israel, Qatar e do grupo Hamas se reuniram no Cairo nesta terça, em mais uma tentativa de costurar um cessar-fogo em Gaza, à medida que crescem os apelos para que Israel se abstenha de um ataque planejado à cidade de Rafah, lotada com mais de um milhão de pessoas deslocadas pela guerra.

Segundo autoridades ouvidas pelo jornal The Guardian, Israel e Hamas fizeram progresso em relação a um cessar-fogo, que incluiria também a liberação de reféns que estão em Gaza. O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, John Kirby, disse que os lados “estão avançando na direção certa”. Israel não comentou as negociações.

O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, no entanto, descartou enviar uma delegação do país para mais negociações de reféns no Cairo. A decisão, segundo relatos, teria sido tomada sem consulta ao gabinete de guerra, o que irritou alguns dos membros que haviam se reunido nesta quarta para discutir os próximos passos.

O gabinete de Netanyahu afirmou que nenhum avanço pode ser feito nas negociações de reféns até que o Hamas mude sua posição “delirante”.

A África do Sul, por sua vez, anunciou que pediu à CIJ (Corte Internacional de Justiça) para avaliar a decisão de Israel de ampliar suas operações militares em Rafah.

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado