Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Fiesp troca verde-amarelo por branco em carta sobre tensão institucional de Bolsonaro

Chamado de “A Praça é dos Três Poderes”, o documento anterior também apontava preocupação com a tensão institucional do governo Bolsonaro na época

Por FolhaPress 05/08/2022 9h44
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

Joana Cunha
São Paulo, SP

O novo manifesto “Em Defesa da Democracia e da Justiça”, publicado nesta sexta (5) pela Fiesp, hoje sob o comando de Josué Gomes da Silva, teve quase 110 assinaturas, o mesmo número da carta divulgada no ano passado, liderada por seu antecessor, Paulo Skaf.

Chamado de “A Praça é dos Três Poderes”, o documento anterior também apontava preocupação com a tensão institucional do governo Bolsonaro na época, mas era menos assertivo.

A carta organizada pela Fiesp sob Skaf, aliado de Bolsonaro, era um recado difuso, que apontava o dedo para todos os Poderes simultaneamente. O novo manifesto é uma resposta mais direta à escalada do presidente contra o sistema eleitoral.

Outra diferença do documento atual foi o endosso imediato da Febraban. Na versão do ano passado, Caixa e Banco do Brasil ameaçaram deixar a federação dos bancos caso a entidade aderisse ao manifesto. O então presidente da Caixa, Pedro Guimarães, hoje fora do banco por causa das denúncias de assédio sexual, era um dos principais articuladores do desembarque.

O perfil dos signatários também é diferente. A carta deste ano reúne centrais sindicais (CUT, Força Sindical e UGT), OAB, Anistia Internacional, universidades como USP, Unicamp e PUC e a UNE (União Nacional dos Estudantes).

No manifesto de Skaf, boa parte das organizações que assinaram é filiada à federação empresarial. Desta vez, somente 18 dos 131 sindicatos filiados à Fiesp aderiram ao texto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O documento do ano passado, publicado nos jornais, tinha as cores verde e amarelo, enquanto o deste ano tem fundo branco.








Você pode gostar