Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Câmara aprova projeto que obriga planos a cobrirem tratamentos fora do rol da ANS

O texto foi aprovado em votação simbólica. O único partido que orientou contra foi o Novo. Agora, a proposta segue para o Senado

Por FolhaPress 03/08/2022 7h20

Danielle Brant
Brasília, DF

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (3) projeto que obriga operadoras de plano de saúde a cobrirem procedimentos ou tratamentos de saúde que não estejam na lista de referência básica da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), desde que sejam reconhecidos por outras agências e que haja comprovação científica.

A aprovação ocorre quase dois meses após o STJ (Superior Tribunal de Justiça) desobrigar planos de saúde de cobrir procedimentos fora da lista da agência reguladora.

O texto foi aprovado em votação simbólica. O único partido que orientou contra foi o Novo. Agora, a proposta segue para o Senado.

O projeto foi elaborado por um grupo de trabalho criado no final de junho pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O objetivo era analisar propostas sobre a cobertura dos planos de saúde, em especial sobre o rol de procedimentos de saúde estabelecidos pela ANS.

O grupo foi uma resposta do Congresso à decisão do STJ de desobrigar as operadoras de planos de saúde de custear, com a possibilidade de exceções, procedimentos não incluídos na lista de cobertura estabelecida pela agência.

A decisão, que afeta milhões de usuários de planos, favoreceu empresas que atuam no setor e alterou um entendimento predominante havia mais de duas décadas no Judiciário, a partir de demandas individuais levadas a diferentes instâncias contra negativas de atendimento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O projeto aprovado nesta quarta-feira (3) altera a lei que trata de planos de saúde para determinar que as operadoras se sujeitem simultaneamente à regra e também à lei de proteção do consumidor –hoje, só são submetidas à Lei de Planos.

Além disso, altera dispositivo que trata da amplitude da cobertura para prever que a ANS publique lista de procedimentos e eventos em saúde suplementar, atualizada a cada incorporação.

O texto acrescenta dois dispositivos à lei. O primeiro diz que a lista de procedimentos e eventos da agência é uma referência básica para os planos de saúde privados contratados a partir de 1º de janeiro de 1999 e aos contratos adaptados à lei, e fixa as diretrizes de atenção à saúde.

O segundo estabelece que, caso o tratamento ou procedimento prescrito por médico ou odontólogo assistente não esteja previsto nesse rol, a cobertura deverá ser autorizada pela operadora de planos, desde que exista comprovação da eficácia científica ou recomendações da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS, ou autorização pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outra possibilidade para autorização é se a cobertura for recomendada por pelo menos um órgão de avaliação de tecnologias em saúde que tenha renome internacional, entre eles a americana FDA (Food and Drug Administration), a União Europeia da Saúde, e a canadense CADTH (Canada’s Drug and Health Technology Assessment).

“Com esse projeto de lei, a lista da ANS vira uma lista de referência para os tratamentos e procedimentos diagnósticos. Caso algum médico prescreva algum medicamento que não está nesta lista de referência, mas que tem reconhecimento de outras agências internacionais e evidência científica comprovada, o plano de saúde passa a ser obrigado a bancar”, disse o deputado Alexandre Padilha (PT-SP).








Você pode gostar