Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Após Fux defender instituições, Bolsonaro volta a atacar sistema eleitoral

“Porque um não quer eleições democráticas, nós temos que abaixar a cabeça? Estão com medo de quê?”, disse

Foto: Evaristo Sá/AFP

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender o voto impresso e atacar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, nesta segunda-feira (2). “Porque um não quer eleições democráticas, nós temos que abaixar a cabeça? Estão com medo de quê?”, disse em discurso em cerimônia de lançamento do programa Água nas Escolas.

Cerca de uma hora antes de o chefe do Executivo reforçar seus ataques ao sistema eleitoral, o presidente do STF, Luiz Fux, havia rebatido declarações que colocavam em dúvida a legitimidade do voto eletrônico. “Harmonia e independência entre os Poderes não implicam impunidade de atos que exorbitem o necessário respeito às instituições”, declarou Fux em meio à crise institucional que envolve os Poderes.

“Os Poderes em geral atuam independentes e harmônicos, sem que haja superpoderes entre aqueles instituídos pela ordem constitucional. Permanecemos atentos aos ataques de inverdades à honra dos cidadãos que se dedicam à causa pública. Atitudes desse jaez deslegitimam veladamente as instituições do País; ferem não apenas biografias individuais, mas corroem sorrateiramente os valores democráticos consolidados ao longo de séculos pelo suor e pelo sangue dos brasileiros que viveram em prol da construção da democracia de nosso país”.

Bolsonaro acusa Barroso de interferir no Legislativo para convencer parlamentares a se oporem à PEC do voto impresso, de autoria da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF). Baseado naquilo a que se refere como “fortes indícios de fraude”, ele disse chamou de farsa as eleições sem mecanismo de contagem pública e afirmou que o pleito será marcado por suspeição, caso não haja implementação da mudança proposta pelo projeto da parlamentar.

“O que leva à conclusão de uma prova são os indícios. Queremos uma farsa no ano que vem ou uma eleição marcada por suspeição? Quem vai analisar o recurso em última instância? Exatamente os que tiraram o cara da cadeia”, disse o presidente, que também colocou em xeque a legitimidade dos resultados das eleições para a Prefeitura de São Paulo.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar