Mundo

Washington D.C. e capitais dos EUA reforçam segurança contra protestos

Os grupos de extrema direita, que não aceitam a legitimidade da vitória do presidente eleito Joe Biden sobre o presidente Trump, podem se tornar mais agressivos nos próximos meses, depois que a segurança for reduzida, disseram as fontes

Supporters of US President Donald Trump protest in the US Capitol’s Rotunda on January 6, 2021, in Washington, DC. – Demonstrators breeched security and entered the Capitol as Congress debated the a 2020 presidential election Electoral Vote Certification. (Photo by Saul LOEB / AFP)
Washington D.C. e capitais dos Estados norte-americanos estão adotando medidas de segurança para se preparar contra novos protestos no país. A avaliação é de que atores individuais podem representar uma ameaça nas próximas semanas, já que grupos extremistas estão aconselhando seguidores a evitar grandes manifestações, mas continuam se opondo ao novo governo, de acordo com fontes que rastreiam esses grupos.

Grupos de extrema direita como os Proud Boys e The Oathkeepers, cujos membros estiveram envolvidos no motim do Capitólio dos EUA na semana passada, estão aconselhando seus seguidores a ficarem longe das grandes cidades onde haverá uma grande presença de agentes da lei na próxima semana, seja mantendo a discrição ou afastando-se das capitais estaduais.

No entanto, grupos de vigilância do extremismo e ex-oficiais da lei dizem que ainda há uma ameaça de extremistas solitários que são inspirados por tais grupos. Os grupos de extrema direita, que não aceitam a legitimidade da vitória do presidente eleito Joe Biden sobre o presidente Trump, podem se tornar mais agressivos nos próximos meses, depois que a segurança for reduzida, disseram as fontes.

“Eles não vão marchar para algum prédio, carregando uma bandeira e usando um megafone”, disse um ex-agente do FBI que trabalhou em casos de terrorismo doméstico sobre a ameaça atual mais preocupante. “Essas são pessoas que honestamente têm a intenção de fazer o que vão fazer sob o manto da escuridão. Vão fazer de uma forma que as pessoas não vão perceber que estão chegando.”

Muitos Estados estão trazendo a Guarda Nacional para suas capitais e reforçando a segurança, medidas incomuns que devem permanecer em vigor durante o fim de semana estendido pelo feriado de Dia de Martin Luther King Jr. nos EUA até a posse de Biden na quarta-feira. A polícia do Capitólio foi oprimida pelo protesto de 6 de janeiro, que se transformou em uma invasão. Oficiais federais disseram que não estimaram totalmente o risco de violência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em Washington D.C., o National Mall foi cercado por uma cerca alta de metal. Caminhões do Exército e carros da polícia, com as luzes piscando, estão estacionados perpendicularmente nos cruzamentos, fechando ruas em trechos da cidade. Trabalhadores usaram guindastes para colocar barreiras de concreto em toda a cidade, onde guardas nacionais com longos rifles amarrados aos torsos ficavam posicionados em intervalos.

Estados como Califórnia, Illinois, Pensilvânia e Wisconsin ativaram as tropas da Guarda Nacional para ajudar a proteger as capitais. O superintendente da polícia do Capitólio da Pensilvânia, Joseph Jacob, disse que o Estado está reforçando a segurança em torno de seus prédios de governo para evitar uma repetição do que aconteceu em Washington D.C.

Em Michigan, onde manifestantes armados entraram no Capitólio em Lansing em abril, uma comissão que administra o prédio e seus terrenos votou na segunda-feira para proibir o porte de armas no prédio. A Polícia do Estado de Michigan disse na sexta-feira que a agência havia aumentado a presença de policiais uniformizados dentro e ao redor do Capitólio e planejava manter esse aumento de funcionários até meados de fevereiro. Outros agentes da lei, incluindo a polícia de Lansing e a Guarda Nacional, devem estar presentes antes das manifestações esperadas no Capitólio neste domingo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O SITE Intelligence Group, que rastreia a atividade online de organizações extremistas, disse nos últimos dias que observou o debate sobre marchar ou não nas capitais estaduais no Dia da Posse ou em dias próximos. Em um alerta de ameaça emitido na sexta-feira, o grupo notou um tópico de discussão no TheDonald, um fórum pró-Trump, onde os usuários estavam divididos sobre como responder às convocações para manifestações e em alguns casos se questionavam se as ligações eram legítimas.

Enrique Tarrio, chefe dos Proud Boys, disse em uma entrevista que é improvável que seu grupo participe de qualquer comício público “nos próximos meses”. Tarrio afirmou que previu demonstrações que envolverão “números mais eficazes e menores com muito mais fogos de artifício”. Como exemplo, ele disse que seu grupo pode se envolver em atividades não violentas como projeção de imagens em edifícios ou interrupção de discursos de políticos em reuniões.

O grupo de milícia privada The Oath Keepers aconselhou os membros a evitar qualquer capitólio, especialmente em Estados cujos governadores são Democratas. Em e-mail enviado aos membros na quarta-feira visto pelo The Wall Street Journal, o líder do grupo, Stewart Rhodes, chamou o novo presidente de “ilegítimo” e ordenou que as unidades da milícia “se reunissem AGORA”. “Eu recomendo que esta reunião seja perto do capitólio do seu Estado, mas NÃO no capitólio do seu Estado.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Don Robinson, um ex-agente supervisor do FBI que se especializou em grupos extremistas domésticos e agora trabalha como consultor independente, disse que vê o risco em uma gama de atores potenciais. “Assim que chegar ao fim da posse de Biden, estou preocupado que alguns ajam de forma violenta”, disse Robinson. “Se um dos alvos for um Capitólio dos EUA com segurança fortalecida, eles podem simplesmente procurar outro local.”

Fonte: Dow Jones Newswires.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar