Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Terremoto de 6,3 graus na região central da Grécia

Pelo menos cinco tremores secundários de magnitudes entre 3,4 e 5,7 foram sentidos na hora seguinte

Foto: Reuters

Um terremoto de 6,3 graus, de acordo com o Centro Geológico dos Estados Unidos (USGS), foi registrado nesta quarta-feira perto da cidade grega de Larissa (região central do país), causando 11 feridos e danos em edifícios.

O terremoto foi sentido no centro e norte da Grécia.

De acordo com as primeiras informações do observatório geodinâmico de Atenas, o epicentro foi localizado 21 quilômetros ao sul da localidade de Elassona, perto de Larissa, e a 350 km de Atenas.

Pelo menos cinco tremores secundários de magnitudes entre 3,4 e 5,7 foram sentidos na hora seguinte.

Um dos feridos está em estado grave após ser atingido por fragmentos de uma parede que caiu em Larisa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As cidades de Damasi, Mesohori e Tyrnavos, onde há uma grande falha, são as mais atingidas, segundo os especialistas.

Na região da Tessália, mais de uma centena de edifícios foram afetados, incluindo igrejas e escolas, de acordo com as primeiras estimativas comunicadas à AFP pelo governador, Costas Agorastos.

“Foi um terremoto muito forte. As torres das duas igrejas foram seriamente danificadas. As casas em Damasi são velhas e estão danificadas”, disse um morador de Larisa à rádio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Grécia é atravessada por grandes falhas geológicas e os terremotos são frequentes, especialmente no mar, e a maioria não causa vítimas.

O último terremoto mortal na Grécia, de magnitude 7, data de 30 de outubro de 2020 no Mar Egeu, entre a ilha grega de Samos e a cidade turca de Izmir.

Dois adolescentes perderam a vida na ilha grega, enquanto, na Turquia, o terremoto deixou 114 mortos e 1.035 feridos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O terremoto mais mortal das últimas três décadas na Grécia foi o terremoto de 1999 perto de Atenas, com uma magnitude de 5,9 e que matou 143 pessoas.

© Agence France-Presse






Você pode gostar