Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Procurador pede que premiê do Haiti seja considerado suspeito por assassinato de presidente

Registros telefônicos indicam que Henry se comunicou ao menos duas vezes com Joseph Badio, um dos suspeitos do assassinato de Moïse

Por FolhaPress 14/09/2021 6h20
Foto: TIMOTHY A. CLARY/AFP

SÃO PAULO, SP

O procurador-geral do Haiti pediu à Justiça, nesta terça-feira (14), que o primeiro-ministro Ariel Henry seja considerado suspeito de participação no assassinato do presidente Jovenel Moïse, morto em um ataque a tiros que agravou a crise política do país há dois meses.

Em carta enviada ao juiz Garry Orelien, responsável por supervisionar a investigação do caso, Bed-Ford Claude afirmou que registros telefônicos indicam que Henry se comunicou ao menos duas vezes com Joseph Badio, um dos principais suspeitos de envolvimento no assassinato de Moïse, na noite do crime.

Badio, um ex-funcionário do Ministério da Justiça haitiano que o premiê defendeu publicamente, está foragido. Na semana passada, Claude emitiu uma intimação policial convocando o primeiro-ministro a prestar depoimento e esclarecer a natureza do seu contato com o suspeito.

A relação ainda não está clara, mas os investigadores afirmam que Henry e Badio conversaram algumas horas depois da morte do líder haitiano. Assim, o procurador pede que o premiê seja “proibido de deixar o território nacional por via aérea, marítima ou rodoviária devido a grave presunção relativa ao assassinato do presidente”, segundo o documento enviado às autoridades nacionais de migração.

O gabinete e os porta-vozes do primeiro-ministro ainda não comentaram o pedido. No sábado (11), Henry reagiu às acusações que começavam a recair sobre ele e acusou as autoridades de promoverem “manobras de distração para criar confusão e impedir que a Justiça faça seu trabalho com calma”.

“Os verdadeiros culpados, os autores intelectuais e os patrocinadores do assassinato hediondo do presidente Jovenel Moise serão encontrados, levados à Justiça e punidos por seu crime”, acrescentou. O Escritório de Proteção ao Cidadão do Haiti já havia exigido, no sábado, que Henry renunciasse e se entregasse à Justiça. O órgão pleiteia ainda na Organização das Nações Unidas (ONU) a criação de uma comissão internacional de inquérito sobre o assassinato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Moïse foi morto em sua casa na madrugada do dia 7 de julho. Até agora, não há conclusão sobre quem foi o mandante do assassinato nem a razão do crime. Segundo o governo haitiano, o presidente foi morto por um grupo de mercenários -48 pessoas, incluindo 18 colombianos e dois americanos de origem haitiana, já foram presas. A primeira-dama Martine também foi ferida no ataque, mas sobreviveu e recebeu tratamento médico em Miami, nos Estados Unidos.

As denúncias contra o premiê Henry, que assumiu o cargo há menos de dois meses, vêm na esteira de um cenário político conturbado no país caribenho. No sábado, após dias de negociações, um acordo firmado com as principais forças de oposição formalizou um governo de transição que será formado por um conselho de ministros e terá Henry na chefia. As eleições gerais, inicialmente programadas para setembro, foram postergadas para o final de 2022.

Uma assembleia constituinte composta por 33 membros indicados por instituições e organizações da sociedade civil terá três meses para preparar uma nova Constituição, que também será levada às urnas. Principal liderança da oposição, o professor universitário André Michel, do Setor Democrático e Popular (SDP), classificou o acordo como uma “posição política histórica para assegurar a governabilidade”.

À acentuada crise política soma-se uma grave crise social no Haiti. Henry tem a missão de guiar o país em uma ampla reconstrução após um terremoto de magnitude 7,2 deixar mais de 2.200 pessoas mortas e cerca de 400 feridas em 14 de agosto. O sismo, que atingiu com maior intensidade a parte sudoeste do país, abalou também a infraestrutura urbana. Mais de 130 mil casas tiveram a estrutura comprometida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Agência das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês) afirmou na última semana que cerca de 980 mil pessoas que vivem nas regiões mais atingidas no país correm risco de passar fome, já que, entre outras coisas, o terremoto destruiu toda a infraestrutura para produção agrícola e distribuição de alimentos -como mercados, estradas, armazéns e sistemas de irrigação. A tempestade tropical Grace, cujo núcleo passou pelo país dois dias após o sismo, agravou a situação.

Em documento liderado pela FAO e elaborado com outras 15 agências da ONU e organizações internacionais sobre o tema, a projeção feita é a de que o contingente de quase 1 milhão de haitianos sofra de insegurança alimentar severa entre setembro deste ano e fevereiro de 2022. Cerca de 320 mil pessoas enfrentariam a fase 4 (são cinco, ao todo) na escala de insegurança.

Para atenuar a situação, a FAO solicita aos governos e organizações internacionais o montante de US$ 20 milhões (mais de R$ 105 milhões) para ajudar cerca de 160 mil pessoas que vivem em áreas rurais, por meio da distribuição de sementes, equipamentos agrícolas e gado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar