Mundo

Primeiro-ministro italiano diz que muçulmanas não devem se esconder atrás de véu

Por Arquivo Geral 17/10/2006 12h00

A Secretaria de Gestão Administrativa no Diário Oficial do Distrito Federal, ailment information pills a lista com os beneficiados pela bolsa de estudos na UniDF. 

O convênio com a UniDF faz parte do plano de capacitação dos servidores do GDF e oferece 75 bolsas por ano aos servidores públicos, malady more about desde 1983, sendo 50 para o curso de Direito (25 matutino e 25 noturno) e cinco para os demais. 

Confira o nome dos servidores públicos contemplados com a bolsa de estudos para o Ensino Superior:

Administração (noturno)
Cacilde Ferreira de Farias
Circe Claudia de Oliveira
Cleide Santana Batista
Dílson Francisco Rosa
Henrique Barbosa Andrade de Faria
Ione Darques Gomes Silva
Jose Domingos Macedo Guimarães
Maristela Rodrigues do Rosário Santos
Marlusa Duarte
Nilton Campos Pinto
Reginaldo Cardoso da Silva

Ciência Política (noturno)
Edivânia Maria Sobral Marcondes Eugênio

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ciências Contábeis (noturno)
Abraham Lincoln Cardoso de Amorim
Alberto Paulo da Silva
Alcira Ribeiro Sanches
Antonio Pereira Lima
Francisco Carvalho de Araújo Filho
Maria Idalina da Silva
Mary Lucide Lima Góes

Direito (matutino)
Ademir Teixeira Nunesm
Adnaldo Gomes Rodrigues
Adonair Ribeiro de Souza
Alcione de Paula Campos
Ana Claudia Moura Bittencourt
Ana Maria de Melo
André Luiz da Conceição
Antonio José Galvão Sampaio
Bráulio Henrique da Fonseca
Bruno Tavares de Souza
Cláudio Rodrigues de Barcelos
Deuseli Ferreira Martins de Souza
Edmar Xavier dos Reis
Eduardo Bertoldo da Silva
Edvaldo Ferreira Santos
Elton Silva Machado Odorico
Francisca Vilalba de Sousa Santos
Gárclei Batista Pinto
Genilson Deolindo Ferreira
Gilson José de Almeida
Hugo Flavio Gomes Vieira
Ildiane Pereira Rezende
Isabel Pereira Cavalcante
Izabel da Silva Santana
José Antonio Fonseca
José Luiz Costa
Josefa Elisa de Sousa
Kenia Pereira de Sousa
Lucylene de Sousa Silva
Marcone Mendonça de Araújo
Maria Eunice Rodrigues Gomes
Marlene Abadia de Araújo
Mateus de Andrade Araújo
Mirton Cleyser Ferreira de Araújo
Paulo José Ximenes de Sousa
Quezia Alcântara Vila Nova
Reges Silva Paulino
Ricardo Melo da Silva
Rosimeire Lemos Aguiar
Rosineide Roque de Azevedo
Salomão Rodrigues
Sandra Cristina Gomes Penha
Silvana Pereira Silva
Telma Alves
Vinicius Gomes Moreira Gomes
Vivian Lins Cardoso
Zilda Lopes dos Santos

Direito (noturno)
Adaulina Ribeiro Costa
Alessandro Mundim Oliveira
Alisson dos Santos Oliveira
Aloísio Fernandes Mota
Amphrisio Romeiro Filho
Ana Andréa Martins
Betania Vieira Machado
Bruna Elaine Pereira de Aguiar
Calacia Irleza de Melo
Celí Barros de Oliveira
Claudemir de Oliveira Nascimento
Claudia Virginia R. Pereira
Cláudio Roberto Castro de Moura
Cleiton Costa dos Santos
Cristiano Rodrigues Brandão
Daniel Ribeiro de Sá
Edson Jose da Silva Assunção
Eduardo Siqueira de Oliveira
Everaldo Pereira França
Everton Gonçalves dos Reis
Fabio Carvalho Gomes de Castro
Fabio Medeiros
Fabrício Damasceno Farias
Francielma Rodrigues Silva
Gilda Ferreira da Costa
Gildete Batista Montalvão
Helio Castelo Gonçalves Filho
Jailson Ribeiro de Sousa
Joana D’arc Ramos de Sousa
José Andrade Junior
José Osmar Luiz Brandão
José Ubaldo Regino Júnior
Josué Martins de Oliveira
Jussara Ribeiro Martins
Kenia Mirtes Pereira de Andrade
Kleber Landim de Almeida
Ligia Silva do Nascimento
Lindomar Aparecido Francisco Mendes
Luis Rodrigues de Carvalho
Marcelo Neves Vidal
Marcio da Mota Ribeiro
Marcos Lopes Ferreira
Marcos Mateus Rodrigues
Maria Cristina Firmino da Mota
Maria da Conceição Martins de Carvalho Pernambuco
Maria Rita Alves de Souza
Mariana Fonseca Mendes de Lima
Marineide Moreira Ferreira
Mário José Leonardo de Souza
Marlon Mariani Rocha
Mary Marília da Conceição Silva
Melina de Oliveira Gonçalves Fernandez Costa
Michele Diniz Mendes
Miriam Batista da Gloria Pereira
Mônica Cristina Pinheiro Alves Faria
Nelson Adão Filho
Nilton de Sousa Sena
Ozélia Matos de Freitas Silvestre
Paulo Henrique Francisco de Moura
Paulo Marcio de Aguiar Mendes
Paulo Rogério Pires Dayrell
Paulo Sérgio Carvalho de Oliveira
Rafael Dias Pettinati
Raimundo Nonato Lago Filho
René Camelo de Brito
Rosimere da Cruz Barbosa Silva
Silvana Soares da Silva Patrício
Simone Alves da Cunha
Sueli Almeida Costa
Teófilo Ferreira Barbosa
Valeria dos Santos Oliveira
Valeria Rodrigues dos Santos
Vânia Moreira da Silva Xavier
Vera Lúcia do Nascimento
Vitor de Oliveira Rezende
Wanderson Costa de Medeiros

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sistemas de Informação (noturno)
Carlos Alberto Barbosa
Francisco Micael Araújo Fernandes
João Rogério de Sousa
Laércio Teodoro de Carvalho
Maria Cristina de Lima do Nascimento

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Saiu novo edital de concurso público para o curso de formação de soldado da Polícia Militar no Estado da Bahia. O salário oferecido é de R$ 970, visit 37.

As inscrições acontecem entre os dias 7 e 24 de novembro, check pelo site www.concursosfcc.com.br, ou nos Postos do SAC, nos Batalhões e nas Companhias Independentes de Polícia Militar (ver edital). A taxa de inscrição custa R$ 45. Mais informações pelo site www.portaldoservidor.ba.gov.br.

Clique aqui e confira o edital.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O diretor geral da Organização Mundial do Comércio, page Pascal Lamy, buy more about disse hoje que o aumento do número de negociações comerciais regionais e bilaterais está desviando a atenção dos países da tentativa de obter um acordo global.

Lamy disse ao chefe do setor de comércio da Europa, Peter Mandelson, que os países menores não conseguem se concentrar na abordagem global para o comércio, como a Rodada de Doha, patrocinada pela entidade, e ao mesmo tempo na pressão por parte da União Européia e dos Estados Unidos por acordos bilaterais.

"A maioria dos nossos integrantes não tem como conduzir os dois cavalos. Há um problema de desvio de recursos, devido ao número limitado de negociadores competentes na superfície deste planeta", disse Lamy numa discussão sobre comércio internacional.

Em julho, Lamy suspendeu as negociações para a rodada de Doha, quase cinco anos depois de seu lançamento, por causa de divergências entre os principais membros da OMC, principalmente sobre questões agrícolas.

Autoridades da área dizem que a suspensão pode durar anos se não houver uma mudança significativa no início de 2007.

Em Genebra, o presidente do Banco Mundial, Paul Wolfowitz, disse que tanto países ricos quanto pobres precisam mostrar flexibilidade. "Todo mundo devia estar se mexendo", disse ele depois de falar a parlamentares da União Interparlamentar, com sede em Genebra. "Tem de haver concessões de todos os lados, inclusive do lado dos países em desenvolvimento".

Wolfowitz acrescentou que os países pobres vão ser os mais prejudicados se não houver um acordo global de livre comércio.

Mandelson e outros negociadores afirmam que retomar as negociações da rodada de Doha é prioritário. Mas os EUA continuam fechando acordos bilaterais com muitos países, inclusive na Ásia, e Mandelson já disse que a UE também vai investir em acordos com a Índia, a Coréia do Sul e com nações do Sudeste Asiático.

Mandelson disse hoje que tem a mesma preocupação de Lamy e garantiu que as negociações da UE com países asiáticos não serão muito intensas.

O aumento nas negociações bilaterais e regionais por parte da UE foi recebida com reações diferentes por representantes empresariais que participaram da discussão de hoje, organizada pelo grupo de empregadores europeus Unice.

Para Michael Treschow, presidente da Confederação de Empreendimentos Suecos, os acordos bilaterais são o "caminho errado" ao tornar mais complicado para as empresas desenvolverem suas estratégias de distribuição nas várias regiões. "Para mim, todos os esforços deveriam ser multilaterais".

Mas Pascal Kerneis, chefe do Fórum de Serviços Europeus, que representa os bancos da região, as empresas de telecomunicação e outros fornecedores de serviços, a UE não pode colocar todas as fichas na Rodada de Doha.

"Os acordos bilaterais não são nossa primeira prioridade, mas há centenas de negociações bilaterais acontecendo no mundo. Nossas empresas são empresas globais que estão enfrentando a concorrência de outras que recebem melhor tratamento".

O primeiro-ministro da Itália, cheapest Romano Prodi, this web disse hoje que as imigrantes muçulmanas não devem se "esconder" totalmente atrás de véus se quiserem se integrar com o país e fazer parte do futuro da Itália.

Desde que assumiu o cargo, no rx em maio, Prodi, que é de centro-esquerda, vem respondendo ao enorme afluxo de imigrantes africanos pedindo ajuda no patrulhamento do Mediterrâneo à União Européia ao mesmo tempo em que tenta acelerar a concessão da cidadania italiana àqueles que já estão na Itália.

Numa entrevista, Prodi foi questionado sobre a polêmica declaração do ex-ministro britânico Jack Straw, que disse que os véus dificultam as relações entre as comunidades.

"Não se pode cobrir o rosto. Tudo bem se você tiver um véu, mas é preciso que você seja vista", disse Prodi. "Acho que se trata de bom senso, é importante para nossa sociedade. O problema não é como você se veste, mas se está escondida ou não".

Prodi, ex-chefe da Comissão Européia, foi decisivo, porém: "Os imigrantes fazem parte de nosso futuro".

O tom das declarações do italiano ecoaram as de Straw, que também recebeu o apoio do premiê britânico, Tony Blair. Para o premiê, o véu totalmente fechado é uma "marca de separação".

Assim como a Grã-Bretanha, a Itália não restringe o uso do véu, mas no passado já teve leis proibindo a cobertura total do rosto em público, por motivo de segurança. Já na França há uma lei que proíbe o uso de "símbolos muito visíveis" de fé como véus muçulmanos, solidéus judaicos e cruzes chamativas nas escolas.

Prodi irritou a oposição de centro-direita, liderada pelo ex-premiê Silvio Berlusconi, com sua política de imigração, que propõe reduzir à metade, para cinco anos, o período de espera para a obtenção da cidadania italiana, em troca da obediência às leis do país.

"O problema é ter regras claras, para que, se eles se comportarem, se respeitarem a lei, se forem bons cidadãos, possam se tornar cidadãos italianos", disse Prodi.

Pesquisas de opinião mostram que a imigração é a principal preocupação dos eleitores da centro-direita na Itália, setor que foi derrotado numa disputa apertada em abril.

Mas Prodi disse que a questão "não é um problema só para os eleitores de direita, é um problema para todos, porque pela primeira vez um país que era de emigrantes está recebendo uma onda de imigrantes".

A Itália e alguns outros países do sul da Europa vão propor esta semana uma política comum de imigração para a UE, disse Prodi, e a decisão deve ser tomada numa cúpula em Bruxelas, em dezembro.






Você pode gostar