Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Premiês passam, a rainha fica: novo líder britânico será 15º a conviver com Elizabeth

A mais longeva rainha do Reino Unido conviveu com líderes já nos livros de história, como os conservadores Winston Churchill

Por FolhaPress 07/07/2022 12h45
Foto: Reprodução

João Perassolo

Em algumas semanas, Boris Johnson será levado de carro até o Palácio de Buckingham para entregar à rainha Elizabeth 2ª sua carta oficial de renúncia ao governo do Reino Unido. Depois, seguindo o rito, ela chamará à sua residência o novo premiê britânico –previamente escolhido pelo Partido Conservador, atualmente no poder– e vai apontá-lo como o novo líder.

Esta será a 15ª vez que Elizabeth, no trono desde 1952, vai dar a bênção a um novo chefe de governo. A mais longeva rainha do Reino Unido conviveu com líderes já nos livros de história, como os conservadores Winston Churchill –premiê durante a Segunda Guerra e autor da expressão “cortina de ferro”– e Margaret Thatcher, primeira mulher a ocupar o cargo, responsável por diminuir o papel do Estado enquanto aumentava os mecanismos de mercado na Inglaterra.

Em seus 70 anos de reinado, Elizabeth acompanhou dez mandatos de líderes conservadores e quatro de trabalhistas, até agora. Isto não significa que ela tenha interferido nos governos, pois a rainha deve se manter politicamente neutra e agir de acordo com a vontade do partido no poder, como se ficasse algo protegida das turbulências políticas, embora ciente do que se passa.

Contudo, Elizabeth “tem uma relação especial com o primeiro-ministro”, informa o site da monarquia britânica. Primeiro porque o líder é nomeado oficialmente por ela, e segundo porque ela se encontra regularmente com o chefe de governo. Nas ligações semanais e nas reuniões cara a cara esporádicas com Boris, Elizabeth era consultada sobre os assuntos do dia e lhe dava conselhos.

Quando um novo governo vai de fato começar, a rainha também é responsável por inaugurar o ano do Parlamento, lendo um discurso previamente escrito pelo governo para ela, sentada em um trono na Câmara dos Lordes, a sala com os interiores mais grandiosos de Westminster. Elizabeth só não cumpriu a tradição, estabelecida no final do século 14, em três momentos –1959 e 1963, quando estava grávida, e neste ano, ocasião na qual foi representada pelo príncipe Charles e pelo neto William.

Afora seu papel, nas suas sete décadas de reinado Elizabeth viu morrer a maioria dos primeiros-ministros com os quais conviveu e se encaminha agora, aos 96 anos, para o sétimo líder vivo a quem dará ouvidos. Antes de fazer seu discurso de renúncia nesta quinta (7), Boris avisou a rainha, como cortesia, e segundo relatos ela foi informada por ele do desenrolar das crises nos últimos dias, quando mais de 50 parlamentares do governo conservador se demitiram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quem também sobrevive à porta giratória de governantes é o gato Larry, morador do número 10 de Downing Street. Desde 2011, quando se mudou para a sede do governo britânico e residência oficial do líder, o felino já ronronou para dois primeiros-ministros e uma primeira-ministra, todos conservadores –David Cameron, Theresa May e Boris Johnson.

Larry, de 15 anos, foi resgatado de um abrigo em Londres por suas habilidades com ratos, o que lhe rendeu o título oficial de “chief mouser”, algo como caçador de ratos chefe, segundo o site do governo britânico. Como todo gato, Larry é independente, ou seja, ele permanece na casa mesmo com a troca de governo –seus donos são os funcionários de Downing Street, não os premiês.

Seu papel é mais do que ser a cara da fofura em momentos de histeria política. De acordo com o site do governo, “Larry passa os dias cumprimentando os hóspedes da casa, inspecionando as defesas de segurança e testando as qualidades de cochilo de móveis antigos.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar