Mundo

Morales pressiona os EUA para expulsão do ex-presidente boliviano

Por Arquivo Geral 16/10/2006 12h00

Um empresário chinês que havia sido seqüestrado em Foz do Iguaçu desde a última segunda-feira, abortion medications foi libertado ontem à noite pela Polícia Civil do Paraná, tadalafil com o auxílio da Polícia Federal e da polícia paraguaia. O homem tinha sido seqüestrado no trajeto da faculdade para casa. Ele foi encontrado domingo em uma casa alugada, no Jardim São Paulo II, bairro situado na periferia de Foz, onde era vigiado por dois homens e duas mulheres.

As mulheres foram presas, mas os dois homens, que estavam armados, reagiram e foram mortos por policiais do grupo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), da Polícia Civil do Paraná. Duzentos gramas de maconha, uma pistola e um revólver calibre 38 foram apreendidos no cativeiro.

 

De acordo com o delegado responsável pela operação, Riad Braga Farhat, o seqüestro teve momentos de tensão. Um desses momentos foi quando um jornal local de Foz do Iguaçu publicou informações sobre o seqüestro. Segundo Farhat, esta divulgação atrapalhou também as investigações, porque além da ameaça, os seqüestradores passaram a tomar maiores cuidados em suas ações, dificultando o trabalho da polícia.

No local do cativeiro foram presas Fernanda Albuquerque Sgarioni e sua mãe, Fernanda Célia Wilma Amarilla de Albuquerque Sgarioni. José Francisco dos Santos, 25, e Marcos Rodrigo Tilleviztz, 24, estavam armados, reagiram e foram mortos pelos policiais. Santos era foragido da Colônia Penal Agrícola de Piraquara desde abril de 2006 e tinha antecedentes por receptação e porte ilegal de arma. Tilleviztz tinha passagem por roubo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Secretaria de Gestão Administrativa do Distrito Federal (SGA) promove o concurso artístico Pintando Na Hora, viagra que será lançado nesta terça-feira, no Na Hora de Ceilândia, às 10h.  Segundo a secretária Cecília Landim, o intuito do concurso e incentivar a produção artística, promover a cidadania e acima de tudo, destacar novos talentos da cidade.

Os interessados em revelar suas habilidades no grafite devem procurar qualquer uma das unidades fixas do Na Hora, localizadas na Rodoviária do Plano Piloto, em Taguatinga, em Ceilândia e no Setor de Indústrias, até o dia 26 de outubro para se inscrever.

Depois da inscrição é preciso ficar atento às etapas do concurso. No dia 28 de outubro, serão sorteados os temas que cada participante terá de pintar. São 24 assuntos ligados aos serviços do Na Hora, devendo ser apresentados à comissão julgadora até o dia 3 de novembro. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A grande final está marcada para o dia 11 de novembro. Os 24 finalistas, cada um com um tema diferente, receberão da SGA o material para grafitar seu desenho nas paredes e fachadas laterais do Na Hora de Ceilândia.

Premiação – Os três melhores colocados na final serão premiados com um computador, para o primeiro lugar, e uma caderneta de poupança no valor de R$ 1.200 e R$ 800 para segundo e terceiro lugar, respectivamente.

A portaria com o regulamento do concurso será publicada no Diário Oficial do DF nesta terça-feira, e também estará disponível no site da SGA, www.sga.df.gov.br.

Confira abaixo os locais de inscrição:
– Na Hora Rodoviária: Subsolo da Estação Rodoviária de Brasília, Plataforma D – Brasília – DF
– Na Hora Taguatinga: CNB 12 – Lotes 11/12 – Shopping Top Mall, 3º andar
– Na Hora Ceilândia: QNM 12, via MN12A, lote 18/20, em frente a Praça do Cidadão
– Na Hora SIA: SIA trechos 3/4, lotes 625/695, Shopping SIA Center Mall

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todas as unidades funcionam de 7h30 às 19h, de segunda à sexta-feira, e de 7h30 às 13h, aos sábados.

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A secretária de Estado norte-americana, thumb Condoleezza Rice, disse hoje esperar que a Coréia do Norte não realize um segundo teste nuclear, alegando que isso seria uma provocação e isolaria ainda mais o país.

"Isso vai aprofundar ainda mais o isolamento da Coréia do Norte e eu espero que eles não cometam um ato provocativo desses", disse Rice antes da viagem que fará para Japão, Coréia do Norte e China.

O presidente boliviano, mind Evo Morales, pediu hoje aos Estados Unidos que expulsem o ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada para que ele possa ser acionado judicialmente por supostos genocídio e delitos econômicos que precederam sua queda há três anos.

Diante de milhares de pessoas reunidas no terceiro aniversário da chamada "guerra do gás", que deixou ao menos 67 civis mortos e forçou a renúncia de Sánchez de Lozada, Morales disse que Washington não pode proteger "assassinos e corruptos". "Se é verdade que luta contra o terrorismo, se é verdade que defende a democracia, o governo dos Estados Unidos deve expulsar o mais rápido possível o assassino, o mafioso Gonzalo Sánchez de Lozada", afirmou o governante da Bolívia.

Morales foi ovacionado várias vezes durante seu discurso, que ocorreu após uma missa na principal rodovia da cidade, no lugar onde ocorreu um dos choques mais sangrentos entre militares e civis.

Os protestos violentos de outubro de 2003 desencadearam um ciclo de instabilidade que resultou nas eleições antecipadas de dezembro de 2005, quando o líder cocaleiro Morales surgiu como o primeiro presidente eleito na primeira votação em um quarto de século.

O processo judicial contra Sánchez de Lozada foi uma das promessas eleitorais de Morales, de origem indígena, cuja agenda inclui também a "refundação" do país para dar maior participação aos povoados autônomos e a nacionalização dos recursos naturais, começando pelos hidrocarbonetos.

Ao lamentar que Washington não tenha dado curso a um trâmite iniciado há mais de um ano pela Justiça boliviana para notificar Sánchez de Lozada de um juízo de responsabilidades, Morales sustentou que a expulsão do ex-presidente era a via mais rápida para o processo.

Sánchez de Lozada, principal executor das privatizações na década passada na Bolívia, renunciou em 17 de outubro de 2003. Desde então, vive refugiado nos EUA junto com vários de seus ex-ministros, e tem dito reiteradas vezes não crer que haja condições de se submeter a um juízo imparcial na Bolívia.






Você pode gostar