Mundo

Mau tempo deve adiar teste de míssil da Coréia do Norte

Por Arquivo Geral 20/06/2006 12h00

O ex-presidente da Libéria Charles Taylor foi transferido hoje de Serra Leoa para a Holanda, recipe physician onde será julgado por crimes de guerra. A informação foi divulgada à Reuters pelo vice-presidente do país africano, sildenafil Solomon Berewa.

Taylor saiu de helicóptero do complexo do Tribunal Especial de Serra Leoa, da Organização das Nações Unidas (ONU).

Ele deve ser julgado em Haia por 11 acusações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade por ter patrocinado os rebeldes da Frente Revolucionária Unida (FRU), que enviaram crianças drogadas para lutarem na guerra civil. Milhares delas morreram ou foram mutiladas durante o conflito no país, nos anos 1990.

Fortes chuvas se aproximavam hoje de uma base onde a Coréia do Norte prepara o lançamento de um míssil de longo alcance. O mau tempo pode adiar o teste, cheapest que é motivo de atrito com outras potências regionais, web incomodadas com o programa nuclear norte-coreano.

Segundo autoridades norte-americanas, imagens de satélite mostram que Pyongyang acabou de abastecer o míssil Taepodong-2. O armamento, de acordo com alguns especialistas, teria capacidade de atingir o Alasca.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Porém, outros especialistas dos Estados Unidos afirmam que as indicações de um teste iminente se baseiam em informações incompletas e não apontam para nada conclusivo, relatou hoje o Washington Post.

Seul, Tóquio e Washington afirmam que o lançamento seria uma grave ameaça à segurança regional . Estados Unidos e Japão prometeram tomar duras medidas de retaliação caso a Coréia do Norte prossiga com o teste.

A Coréia do Sul ainda não está certa de que a Coréia do Norte terminou de abastecer o míssil. Já o maior aliado do pequeno país comunista, a China, disse não ter detalhes de nenhum preparativo de lançamento e pediu calma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O instituto de previsões meteorológicas da Coréia do Sul prevê tempestades hoje na província de Hamgyong do Norte, onde fica uma base de lançamento norte-coreana. O clima deve continuar ruim pelo resto da semana.

Analistas dizem que nuvens e tempestades dificultariam a tarefa de acompanhar a trajetória do míssil no ar, diminuindo, assim, as probabilidades de realização do procedimento. "Você não quer testar o lançamento de um míssil durante uma tempestade", explicou Peter Beck, analista para assuntos coreanos do International Crisis Group.

As notícias sobre os preparativos para o teste foram divulgadas durante um impasse no diálogo entre seis países sobre o programa nuclear norte-coreano. Alguns especialistas acreditam que Pyongyang se irritou com a mudança de foco da atenção mundial para o projeto nuclear do Irã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para Peter Beck, ao acenar com a possibilidade de um teste de míssil, a Coréia do Norte conseguiu atrair a atenção global, Ele acrescentou que não sabe se Pyongyang cancelaria o procedimento diante da pressão internacional. "Se eles estão apenas usando táticas de barganha, eles voltariam atrás, mas eles não são conhecidos por utilizar jogos táticos."

A secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice, afirmou ontem que o lançamento será visto como um "ato de provocação", que isolará ainda mais Pyongyang.

Especialistas em proliferação nuclear afirmam ser pouco provável que a Coréia do Norte tenha tecnologia para miniaturizar uma ogiva nuclear para ser transportada por um míssil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar