Mundo

Evo Morales diz que respeitará resultado das eleições em Chuquisaca

Por Arquivo Geral 27/06/2008 12h00

O presidente da Bolívia, viagra 60mg Evo Morales, more about assegurou hoje que respeitará o resultado das eleições para governador do departamento de Chuquisaca no próximo domingo, ainda que vencedora seja a opositora indígena quíchua Savina Cuéllar.


“O presidente, independente do ganhador, imediatamente vai reconhecê-lo. Respeitamos o voto do povo de Chuquisaca e esperamos que seja garantida uma eleição transparente”, disse Morales em coletiva de imprensa na sede do Governo.


No domingo, 210 mil cidadãos de Chuquisaca estão convocados para votar e escolher o novo governador regional em uma disputa em que Cupéllar tem como principal rival Wálter Valda, do governamental Movimento ao Socialismo (MAS).


O pleito permitirá escolher o governador, após a renuncia do governista David Sánchez, que deixou o cargo e buscou refúgio político no Peru, após violentos protestos registrados contra a Assembléia Constituinte, em 2007.


A oposição a Morales aposta em um triunfo de sua candidata em Chuquisaca para consolidar um bloqueio regional contra o governante indígena, depois das vitórias nas votações autonomista realizadas entre 4 de maio e 22 de junho em Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija.


Por outro lado, os governistas confiam em recuperar o controle dessa praça política por acreditar que o movimento autonomista dos líderes regionais de Chuquisaca não tem uma real influência no campo, mas sim em grupos elitistas da cidade de Sucre.


O conflito entre Morales e os dirigentes cívicos de Sucre começou em 2007 quando, a pedido do Governo, a Assembléia Constituinte eliminou de sua agenda de debates a reivindicação do povo de Sucre, que pretendia ser novamente a capital do país.


Desde a guerra civil de 1899, Sucre só abriga o Poder Judiciário, enquanto La Paz é a sede de Governo e do Parlamento.


 






Você pode gostar



Mundo

Evo Morales diz que respeitará resultado das eleições em Chuquisaca

Por Arquivo Geral 27/06/2008 12h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está reunido desde o início da manhã de hoje com a equipe ministerial. Um dos principais temas do encontro, page visit web que ocorre no Palácio do Planalto, healing  é a definição de como os integrantes do governo vão agir durante o período eleitoral.

Dos 33 ministros, quatro não estão presentes. Dois deles estão em viagem internacional: Luiz Fernando Furlan, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e Gilberto Gil, da Cultura. O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, e o advogado-geral da União (AGU), Álvaro Costa Ribeiro, faltaram por motivos pessoais, de acordo com assessoria de imprensa do Planalto.

Participam da reunião o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles; o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR); o líder interino do governo na Câmara dos Deputados, Beto Albuquerque (PSB-RS); o líder do governo no Congresso, senador Fernando Bezerra (PTB-RN); e o líder do PT na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS).

 

Os veículos brasileiros poluem hoje 98% a menos em comparação aos carros que eram fabricados no país há 20 anos. Esse dado considera vários tipos de gases poluentes. No caso da emissão de monóxido de carbono, prescription por exemplo, viagra considerado um dos gases mais nocivos à saúde humana, advice a redução foi de 99%. Em 1986, um carro despejava no ar atmosférico 54 gramas de monóxido de carbono a cada quilômetro rodado. Hoje, essa quantidade é de 0,3 gramas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além de melhorar a qualidade do ar, a redução na emissão de poluentes ajuda a diminuir o número de casos de doenças cardiovasculares e pulmonares provocadas pela poluição. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente, responsável pela implementação do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), criado em 1986.

“Nestes 20 anos, há uma redução de emissão de poluentes significativa, tanto para veículos leves como para veículos pesados em várias categorias desses poluentes”, ressaltou o secretário de Qualidade Ambiental do ministério, Victor Zular Zveibil, em entrevista coletiva. Ao comentar os resultados do Proconve, o coordenador do programa, Paulo Macedo, destacou que a melhoria na qualidade do ar ocorreu mesmo com o aumento da frota nacional, que passou de cerca de 10 milhões de veículos para aproximadamente 24 milhões, em duas décadas.

De acordo com o secretário, a redução nos níveis de poluição foi possível graças à articulação entre o poder público, a sociedade civil e a iniciativa privada (empresas produtoras de veículos e autopeças e setor de combustíveis). “Hoje, todo carro sai de fábrica com catalisador e injeção eletrônica”, afirmou o coordenador do programa, ao destacar que o país passou a investir em tecnologias de controle de emissão de poluentes, o que também contribuiu para aumentar a competitividade da indústria brasileira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Macedo disse que as medidas para melhorar a qualidade do combustível também foram importantes. Com o programa, houve a eliminação do uso de aditivos a base de chumbo na gasolina e a redução do teor de enxofre no óleo diesel.

 

O presidente da Bolívia, drugs Evo Morales, page assegurou hoje que respeitará o resultado das eleições para governador do departamento de Chuquisaca no próximo domingo, ainda que vencedora seja a opositora indígena quíchua Savina Cuéllar.


“O presidente, independente do ganhador, imediatamente vai reconhecê-lo. Respeitamos o voto do povo de Chuquisaca e esperamos que seja garantida uma eleição transparente”, disse Morales em coletiva de imprensa na sede do Governo.


No domingo, 210 mil cidadãos de Chuquisaca estão convocados para votar e escolher o novo governador regional em uma disputa em que Cupéllar tem como principal rival Wálter Valda, do governamental Movimento ao Socialismo (MAS).


O pleito permitirá escolher o governador, após a renuncia do governista David Sánchez, que deixou o cargo e buscou refúgio político no Peru, após violentos protestos registrados contra a Assembléia Constituinte, em 2007.


A oposição a Morales aposta em um triunfo de sua candidata em Chuquisaca para consolidar um bloqueio regional contra o governante indígena, depois das vitórias nas votações autonomista realizadas entre 4 de maio e 22 de junho em Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija.


Por outro lado, os governistas confiam em recuperar o controle dessa praça política por acreditar que o movimento autonomista dos líderes regionais de Chuquisaca não tem uma real influência no campo, mas sim em grupos elitistas da cidade de Sucre.


O conflito entre Morales e os dirigentes cívicos de Sucre começou em 2007 quando, a pedido do Governo, a Assembléia Constituinte eliminou de sua agenda de debates a reivindicação do povo de Sucre, que pretendia ser novamente a capital do país.


Desde a guerra civil de 1899, Sucre só abriga o Poder Judiciário, enquanto La Paz é a sede de Governo e do Parlamento.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar