Mundo

Atentado contra comitiva de deputados no Afeganistão deixa 30 mortos

Por Arquivo Geral 06/11/2007 12h00

Um atentado suicida realizado hoje no norte do Afeganistão matou 30 pessoas, and entre elas cinco deputados afegãos, e deixou cerca de 60 feridos, em um dos mais sangrentos ataques cometidos no país desde a queda do regime talibã, em 2001.

O ataque aconteceu na província afegã de Baghlan, quando uma explosão atingiu uma comitiva de deputados, além de muitos estudantes e moradores do lugar que tinham se reunido em uma fábrica de açúcar por ocasião da visita dos parlamentares.

O porta-voz do Ministério do Interior afegão, Zemarai Bashary, informou sobre a existência de 30 mortos e cerca de 60 feridos, e disse que “tudo aponta para um atentado suicida”.

Entretanto, testemunhas do ocorrido elevaram o número de mortos para cerca de 50.

Bashary também disse que os deputados pertenciam a uma comissão econômica do Parlamento afegão.

Entre as vítimas está o porta-voz da principal aliança opositora do Parlamento, a Frente Nacional, Sayed Mustafa Kazemi.

Morreram também pelo menos outros quatro deputados que tinham viajado para Baghlan em visita oficial, para analisar a situação da área e visitar várias fábricas.

O subchefe da Polícia de Baghlan, Naeem Khan, disse à Efe que muitas das vítimas eram estudantes, que se juntaram para receber a delegação de parlamentares.

O presidente afegão, Hamid Karzai, condenou o “cruel ato terrorista” e expressou sua “profunda dor” pela morte de “parlamentares, mulheres e crianças”.

Em comunicado, Karzai declarou que, segundo relatórios das agências de segurança, os “inimigos da paz e da segurança no Afeganistão” realizaram o atentado, utilizando os termos freqüentemente usados pelas autoridades para se referir aos talibãs.

No entanto, um porta-voz dos talibãs, Yousef Ahmadi, que atuou como representante dos insurgentes em várias ocasiões, condenou o atentado e assegurou à Efe que suas forças não têm nada a ver com o ocorrido.

O atentado de hoje é um dos mais graves ocorridos no Afeganistão desde a queda do regime talibã, em 2001, após a invasão liderada pelos Estados Unidos.

Até agora, o atentado com mais vítimas havia acontecido em junho deste ano, quando 35 pessoas morreram e outras 35 ficaram feridas na explosão de uma bomba dentro de um ônibus em Cabul.

Além disso, 28 civis e dois soldados morreram no final de setembro em um atentado suicida contra outro ônibus, desta vez militar, na capital afegã.

Calcula-se que mais de 5.300 pessoas tenham morrido desde janeiro deste ano por causa da violência no Afeganistão, que vive seu ano mais sangrento desde 2001.

A maioria dos confrontos acontece no sul do país, onde os talibãs mantêm suas principais forças.

O atentado suicida de hoje foi condenado pela Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), sob comando da Otan, que demonstrou sua “profunda tristeza” pelo “ataque terrorista sem sentido” de Baghlan.

Em comunicado, a Isaf denunciou que se tratou de um atentado “indiscriminado” contra “civis inocentes”.

Também explicou que suas tropas deram assistência médica às vítimas e apoiaram as autoridades afegãs com uma equipe de avaliação de danos.

A Isaf mantém cerca de 35 mil soldados no Afeganistão sob comando da Otan.






Você pode gostar



Mundo

Atentado contra comitiva de deputados no Afeganistão deixa 30 mortos

Por Arquivo Geral 06/11/2007 12h00

Um atentado suicida realizado hoje no norte do Afeganistão matou 30 pessoas, more about entre elas cinco deputados afegãos, view e deixou cerca de 60 feridos, em um dos mais sangrentos ataques cometidos no país desde a queda do regime talibã, em 2001.

O ataque aconteceu na província afegã de Baghlan, quando uma explosão atingiu uma comitiva de deputados, além de muitos estudantes e moradores do lugar que tinham se reunido em uma fábrica de açúcar por ocasião da visita dos parlamentares.

O porta-voz do Ministério do Interior afegão, Zemarai Bashary, informou sobre a existência de 30 mortos e cerca de 60 feridos, e disse que “tudo aponta para um atentado suicida”.

Entretanto, testemunhas do ocorrido elevaram o número de mortos para cerca de 50.

Bashary também disse que os deputados pertenciam a uma comissão econômica do Parlamento afegão.

Entre as vítimas está o porta-voz da principal aliança opositora do Parlamento, a Frente Nacional, Sayed Mustafa Kazemi.

Morreram também pelo menos outros quatro deputados que tinham viajado para Baghlan em visita oficial, para analisar a situação da área e visitar várias fábricas.

O subchefe da Polícia de Baghlan, Naeem Khan, disse à Efe que muitas das vítimas eram estudantes, que se juntaram para receber a delegação de parlamentares.

O presidente afegão, Hamid Karzai, condenou o “cruel ato terrorista” e expressou sua “profunda dor” pela morte de “parlamentares, mulheres e crianças”.

Em comunicado, Karzai declarou que, segundo relatórios das agências de segurança, os “inimigos da paz e da segurança no Afeganistão” realizaram o atentado, utilizando os termos freqüentemente usados pelas autoridades para se referir aos talibãs.

No entanto, um porta-voz dos talibãs, Yousef Ahmadi, que atuou como representante dos insurgentes em várias ocasiões, condenou o atentado e assegurou à Efe que suas forças não têm nada a ver com o ocorrido.

O atentado de hoje é um dos mais graves ocorridos no Afeganistão desde a queda do regime talibã, em 2001, após a invasão liderada pelos Estados Unidos.

Até agora, o atentado com mais vítimas havia acontecido em junho deste ano, quando 35 pessoas morreram e outras 35 ficaram feridas na explosão de uma bomba dentro de um ônibus em Cabul.

Além disso, 28 civis e dois soldados morreram no final de setembro em um atentado suicida contra outro ônibus, desta vez militar, na capital afegã.

Calcula-se que mais de 5.300 pessoas tenham morrido desde janeiro deste ano por causa da violência no Afeganistão, que vive seu ano mais sangrento desde 2001.

A maioria dos confrontos acontece no sul do país, onde os talibãs mantêm suas principais forças.

O atentado suicida de hoje foi condenado pela Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), sob comando da Otan, que demonstrou sua “profunda tristeza” pelo “ataque terrorista sem sentido” de Baghlan.

Em comunicado, a Isaf denunciou que se tratou de um atentado “indiscriminado” contra “civis inocentes”.

Também explicou que suas tropas deram assistência médica às vítimas e apoiaram as autoridades afegãs com uma equipe de avaliação de danos.

A Isaf mantém cerca de 35 mil soldados no Afeganistão sob comando da Otan. Atentado contra comitiva de deputados no Afeganistão deixa 30 mortos

Atualizada às 17h36






Você pode gostar