Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Assassino de duas irmãs negras em Londres é condenado à prisão perpétua

O tribunal de Old Bailey concluiu que o acusado se lançou em uma “campanha de vingança” contra estas duas mulheres

Um jovem acusado de duplo homicídio satânico em junho de 2020 perto de Londres foi condenado à prisão perpétua nesta quinta-feira (28), encerrando um caso, pelo qual a polícia foi duramente criticada.

Danyal Hussein, de 19 anos, foi condenado pelo assassinato de Nicole Smallman, de 27, e Bibaa Henry, de 46, duas irmãs negras esfaqueadas em um parque de Wembley, no noroeste de Londres.

O tribunal de Old Bailey concluiu que o acusado se lançou em uma “campanha de vingança” contra estas duas mulheres, escolhidas de forma aleatória, por não ter ganhado na loteria.

No quarto do assassino, a polícia encontrou um texto manuscrito assinado com sangue que prometia à entidade demoníaca Lucifuge Rofocale – suposto primeiro-ministro do Inferno – matar seis mulheres a cada seis meses, em troca de riquezas.

Em audiência nesta quinta, Hussein foi condenado à prisão perpétua pela juíza Philippa Whipple, com pena mínima de 35 anos, por ter “assassinado brutalmente” essas duas mulheres.

Danyal Hussein, cujo DNA foi encontrado na cena do crime depois que ele se feriu, recusou-se a testemunhar em seu julgamento. Alegou não ser responsável pelo duplo homicídio, nem pela redação do pacto.

Nos dez dias que se seguiram ao assassinato, ele gastou mais de 160 libras (US$ 220) em bilhetes de loteria, ou em apostas, sem sucesso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na terça-feira (26), o órgão responsável pelos padrões éticos da polícia local – a Autoridade Independente para a Deontologia Policial (IOPC, na sigla em inglês) – listou os erros e a atitude “inaceitável” da Scotland Yard sobre o assunto.

Os familiares das duas irmãs denunciaram muito rapidamente seu desaparecimento. As lacunas no tratamento da informação recebida levaram, porém, ao encerramento da busca. Os corpos acabaram sendo encontrados pela própria família.

© Agence France-Presse

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar