Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Ascensão da esquerda e independentes preocupa establishment no Chile

Nesta segunda-feira, a Bolsa de Santiago chegou a cair mais de 9% e o peso chileno perdeu 2,1% do valor frente ao dólar

O eleitor chileno deu uma guinada à esquerda e esnobou os partidos que se revezam desde a redemocratização no comando do país na eleição dos 155 deputados da Convenção Constitucional responsável por substituir a Carta criada na ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). Nesta segunda-feira, 17, dia seguinte ao resultado, a Bolsa de Santiago chegou a cair mais de 9% e o peso chileno perdeu 2,1% do valor frente ao dólar.

Com a derrota da lista de direita apoiada pelo presidente Sebastián Piñera, os conservadores não terão poder de veto na discussão dos artigos, em um indício de que, com a nova Carta, os chilenos podem recriar serviços públicos privatizados na era Pinochet, tanto na saúde quanto na educação e em outros setores da economia.

Listas de candidatos independentes, de ideologia mais à esquerda, mas sem vinculação com partidos políticos tradicionais tiveram 46% dos votos e, juntos, terão 48 assentos na assembleia

A principal força política dos independentes é a 18-0, lista criada por participantes dos protestos de 2019 que tomaram conta do país e levaram o governo a convocar um referendo sobre uma nova Constituição após semanas de violência. Com uma plataforma à esquerda, a 18-O não crê na política partidária convencional.

No entanto, a maioria dos eleitos na lista é composta por neófitos na política. São professores, profissionais liberais, ativistas de movimentos sociais e estudantes.

Fracasso da política tradicional

A lista Vamos por Chile, formada pelos conservadores e a centro-direita, tem a segunda bancada, com 37 deputados. A meta da coligação era passar de 50 assentos na Constituinte, para deter o poder de veto sobre artigos da Constituição e, desta forma, impedir mudanças mais amplas no atual texto constitucional.

A meta, no entanto, ficou distante. Mesmo com o campo da direita unido, liberais moderados têm maioria na lista diante dos conservadores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O povo deu seu recado claro ao governo e as forças políticas: não estamos sintonizados com suas demandas e estamos sendo desafiados por novas lideranças”, reconheceu o presidente Sebastián Piñera.

A lista de esquerda formada pela Frente Ampla e o Partido Comunista Chileno, tem a terceira bancada, com 28 deputados. O bloco optou por não se aliar à lista formada pela antiga Concertação de Esquerda, que governou o país durante a maior parte da redemocratização, com nomes como Ricardo Lagos e Michelle Bachelet. A lista da antiga Concertação foi a quarta mais votada e terá 27 assentos.

Analistas são unânimes em apontar a votação como a marca de uma nova etapa na história chilena, mas o futuro da estabilidade econômica chilena está em risco, caso não haja espaço para diálogo na Constituinte.

Incertezas pedem moderação

“Não sabemos ainda a duração nem a profundidade dessas mudanças que se anunciam”, avalia o cientista político Gonzalo Cordero.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já para Claudia Heiss, cientista política da Universidade do Chile, o triunfo dos independentes dará um rosto mais cidadão à Constituinte, com mais legitimidade.

O cientista político Marcelo Mella, da Universidade de Santiago, acredita que caberá aos partidos moderar os independentes. “Os partidos resistiram a Pinochet. Esses terremotos passam. O mesmo ocorrerá agora”, aposta.

Moderação é também a palavra-chave para observadores do pujante setor econômico chileno. “O diálogo precisa ser preservado para evitar que extremistas de ocasião ganhem campo”, diz Joaquin Villarino, especialista em mercado de cobre, a principal commodity chilena. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar