Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Saúde puxa alta do emprego em serviços com avanço da pandemia

Abril foi o mês que registrou o maior número de mortes por Covid-19 desde o início da pandemia, em março de 2020

Foto: Silvio Avila/AFP

Fernanda Brigatti
São Paulo, SP

Mais da metade dos empregos formais criados no setor de serviços em abril deste ano vieram de trabalhos ligados a atendimentos médicos e hospitalares, a serviços de assistência a idosos e pessoas com deficiência e a assistência social.

Abril foi o mês que registrou o maior número de mortes por Covid-19 desde o início da pandemia, em março de 2020.

Foram mais de 82 mil óbitos em decorrência da doença.

Dos 57.610 postos de trabalho mantidos no setor de serviços naquele mês, 30.259 vieram do subgrupo saúde humana e serviços sociais, segundo dados do novo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

O número corresponde a 52,52% dos empregos em serviços e um quarto (25%) do saldo total para o mês.

No emprego, os serviços sociais e de saúde tiveram o segundo mês com o melhor saldo de vagas pelo menos desde janeiro de 2020, quando começa a série histórica do novo Caged.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O pico na abertura de vagas em saúde foi em março, quando esse segmento chegou a 41.863 novos postos de trabalho. No mês em que a pandemia de Covid-19 completou um ano, 66.868 mortes pela doença foram registradas no Brasil.

O descontrole da crise sanitária a partir do início do ano intensificou o volume de contratações no setor.

O saldo de vagas -a diferença entre as demissões e as contratações- nessa área supera, de janeiro a abril, o total registrado ao longo do ano passado.

Ao todo, no primeiro quadrimestre deste ano, esse segmento da economia gerou 120.244 vagas de emprego com carteira assinada. De janeiro a dezembro de 2020, o saldo é de 110.542 postos de trabalho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o Caged, o emprego formal vem em recuperação no Brasil.

Os primeiros quatro meses deste ano foram todos de resultados positivos, com mais contratações do que demissões. O saldo total do quadrimestre, com ajustes, é de 957.889 novos postos de trabalho.

Um dado fornecido pelo Caged que dá a dimensão do crescimento no número de vagas no setor de saúde, ocorrido ao mesmo tempo em que o Brasil viveu o repique da pandemia de Covid-19, é o da variação relativa, que mostra o quanto os novos empregos representam sobre o estoque de postos de trabalho.

De janeiro a abril deste ano, a variação relativa do saldo de vagas geral foi de 2,43%. Entre os serviços, que acumularam 400.455 empregos criados no período, a variação foi de 2,16%. Para o mesmo intervalo de quatro meses, os postos de trabalho em serviços sociais e de saúde representaram 4,88%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estudo do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) feito com base na Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) aponta um crescimento de 3,3% no número de ocupados em atividades de atenção à saúde humana durante a pandemia, ao mesmo tempo em que outras ocupações registraram queda de 8,9%.

A análise considera dados coletados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) até o fim de 2020.

Diferentemente do Caged, que monitora somente os empregos com carteira assinada, a pesquisa do IBGE acompanha também as flutuações de outros tipos de relação de trabalho, como os por conta própria ou informais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O crescimento entre os ocupados aparece principalmente entre médicos (18,7%) e profissionais de enfermagem (18,5%), mas também entre profissionais de nível médio da enfermagem (1%).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesse segmento, o Dieese constatou um aumento no número de profissionais com ensino superior completo, mesmo em funções que só exigiam nível médio e técnico. No último trimestre de 2020, 19% tinham formação universitária, levando a 32,3% o número de ocupados com ensino superior.

Essa movimentação resultou em uma redução de 4,3% no número de profissionais com ensino médio completo, o equivalente a 37,5 mil trabalhadores.

Para os técnicos do departamento de estudos, o aumento de ocupados com ensino superior pode ter relação com a autorização para que estudantes de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia antecipassem suas colação de grau para que pudessem trabalhar em ações de combate à pandemia.

A portaria 374, do Ministério da Educação, foi publicada no “Diário Oficial da União” no dia 6 de abril de 2020, liberou a antecipação para quem já estava no último período desses cursos e havia cumprido 75% da carga horária de estágio supervisionado ou internato médico.

A melhora no nível de emprego durante a pandemia não trouxe junto aumento salarial, segundo o Dieese. Entre o último trimestre de 2019 e o mesmo período em 2020, o rendimento médio real para profissionais da enfermagem caiu 11,8%. Para médicos, a redução foi de 12,3%.

As informações são da FolhaPress






Você pode gostar