Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Para próxima reunião, Copom antevê ajuste na mesma magnitude da Selic, diz ata

Após a elevação de 1,00 ponto porcentual na semana passada, para 6,25% ao ano, o BC disse hoje na ata que, para a próxima reunião

Foto: Agência Brasil – EBC

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reafirmou nesta terça, por meio da ata de seu último encontro, a intenção de promover novo aumento da Selic (a taxa básica de juros) em setembro. Após a elevação de 1,00 ponto porcentual na semana passada, para 6,25% ao ano, o BC disse hoje na ata que, para a próxima reunião, “antevê outro ajuste da mesma magnitude.”

Ao mesmo tempo, a autoridade monetária deixou a porta aberta para um aumento até maior. “O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária.”, disse a instituição na ata.

Em outro ponto, porém, o BC considerou que, no atual estágio do ciclo de elevação de juros, “esse ritmo de ajuste é o mais adequado” para garantir a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante e, simultaneamente, permitir que o Comitê obtenha mais informações sobre o estado da economia e o grau de persistência dos choques.

O documento repete a avaliação do Copom de que seu cenário básico e o balanço de riscos indicam ser apropriado que “o ciclo de aperto monetário avance no território contracionista”, ou seja, para um patamar de juros que tenha efeito de retardar a expansão da atividade. Essas ideias expressas na ata já constaram no comunicado da semana passada.

O Copom reafirmou na ata que a alta de 1,00 ponto porcentual da Selic anunciada na semana passada é uma decisão que “reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para as metas no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2022 e, em grau menor, o de 2023”

No documento, o Copom também pontuou que o ajuste da Selic em 1,00 ponto, para 6,25% ao ano, “também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego” – duas metas acessórias que a autarquia passou a perseguir após a lei de autonomia formal do órgão. Essas ideias expressas na ata já constaram no comunicado da semana passada.

O Copom também reafirmou que seu cenário básico para a inflação tem fatores de risco “em ambas as direções” – ou seja, na direção de baixa e de alta para a inflação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Por um lado, uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento recente nos preços das commodities internacionais em moeda local produziria trajetória de inflação abaixo do cenário básico”, disse o colegiado no documento.

“Por outro lado, novos prolongamentos das políticas fiscais de resposta à pandemia que pressionem a demanda agregada e piorem a trajetória fiscal podem elevar os prêmios de risco do país. Apesar da melhora recente nos indicadores de sustentabilidade da dívida pública, o risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária”, repetiu a ata.








Você pode gostar