Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Fabricantes de motorhomes lidam com aumento da demanda em meio à falta de peças

Hoje em dia há aumento nos custos e demora na entrega de componentes para a montagem das casas sobre rodas

Eduardo Sodré
São Paulo, SP

Embaixo de um motorhome, há um automóvel. Essa premissa explica o problema dos empreendedores que fabricam ou alugam esses veículos: os modelos viraram tendência em meio à pandemia de Covid-19, mas há dificuldades para atender a demanda.

A falta de componentes e a inflação dos insumos -como o aço, que acumula alta próxima a 100% entre 2020 e 2021- atrasa a produção de veículos leves e pesados. Por consequência, há aumento nos custos e demora na entrega de componentes para a montagem das casas sobre rodas.

“Tivemos dificuldade em 2020 por conta da pandemia e do atraso das importações. Algumas peças que deveriam ter chegado no primeiro semestre só desembarcaram no final do ano passado”, diz o engenheiro Júlio Lemos, que é um dos fundadores da Estrella Mobil Motorhomes.

Os problemas de montagem ocorrem em meio ao aumento da procura. Segundo os dados da Estrella Mobil, as vendas cresceram 60% na comparação entre os primeiros sete meses de 2020 e de 2021.

“Quando surgiu a pandemia, começaram a aparecer aquelas pessoas que, mesmo antes da quarentena, já pensavam em um novo formato de viajar ou que não sabiam que existia a cultura de motorhome no Brasil”, afirma Lemos. “A pandemia não foi um empurrãozinho, mas, sim, um grande pontapé para esse crescimento.”

A Vandão Motorhomes, empresa focada no aluguel, registrou crescimento da demanda em períodos cujas atividades eram mornas. Hoje a lista de espera tem 175 nomes cadastrados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estamos com muita dificuldade para encontrar peças -principalmente as importadas- para montar os motorhomes que alugamos, e os veículos zero-quilômetro aumentaram bastante”, diz Aline Frediani, diretora de marketing da empresa.

O aluguel de um motorhome é calculado com base no número de diárias e na quilometragem rodada. Viajar com um veículo para seis adultos por sete dias (média de 2.500 quilômetros) custa R$ 7.927 na Vandão, com taxas de seguro e limpeza inclusas.

Os problemas de fornecimento afetam os planos futuros. Segundo Aline, a empresa pretende substituir os veículos com mais de três anos de uso até o fim de 2022, mas a escassez de componentes tende a perdurar.

Ao mesmo tempo, é preciso fazer um planejamento que considere mudanças no mercado de motorhomes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Acreditamos que, com a regularização das atividades [após as restrições da pandemia], a demanda será menor no próximo ano, a tendência da procura é diminuir”, afirma Aline.

Segundo a Estrella Mobil, o perfil do público mudou com a Covid-19. Em 2018, 80% dos compradores eram aposentados e profissionais liberais. Apenas 20% das vendas eram direcionadas a um cliente com idade até a faixa dos 40 anos.

Com a Covid-19, houve aumento do interesse pelos veículos entre pessoas mais jovens, e as vendas nesse segmento passaram dos 20% para 35% do total.

O aumento do preço das vans que servem de base para a maior parte dos motorhomes tem pressionado os construtores. Hoje um furgão Renault Master é comercializado por a partir de R$ 206,8 mil.Em janeiro de 2020, o preço sugerido era de R$ 115 mil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo a Estrella, um motorhome para quatro adultos custa, em média, R$ 380 mil. Trata-se de um veículo com valor elevado, mas a procura segue alta.

“Estamos ampliando a fábrica para nos adequar à demanda. Hoje nosso prazo de fabricação varia de quatro meses para veículos menores e até 12 meses para os caminhões de expedição”, diz Lemos, que espera crescer 20% em 2022 na comparação com 2021.

Oskar Kedor, fundador da startup Mobility S/A, participou de fóruns que discutiram o futuro do turismo e da mobilidade. Os cenários traçados ao longo de 2020 mostravam que o mercado de viagens corporativas seria o último a se recuperar, enquanto o segmento de motorhomes passaria pela maior expansão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estamos com uma demanda reprimida também nos EUA e na Europa. Quem produz está inflacionando o mercado, tem fila de esperada”, diz Oskar. O empresário explica que o motorhome se tornou prioridade para pessoas que adiavam o sonho de fazer uma longa viagem em família.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele compara os modelos mais luxuosos com os iates, que têm marinas com estrutura para receber viajantes de alta renda. Esse é um público que começa a se formar, interessado em modelos que custam R$ 700 mil.

Apesar das dificuldades, o empresário vê surgir oportunidades no setor de turismo em meio à pandemia.
“Temos profissionais que, por exemplo, fazem viagens a destinos próximos e ali conciliam o seu home office com momentos de lazer”, diz Oskar.

“Mais do que fechar pacotes tendo em vista apenas os períodos de férias, o agente de viagem passa a ser um consultor para oferecer as opções que melhor atendam às necessidades e experiências desejadas pelo cliente em suas demandas de mobilidade.”








Você pode gostar