Economia

Dólar sofre queda e está cotado a R$ 2,13

Por Arquivo Geral 16/10/2006 12h00

A Caixa Econômica Federal lançou hoje (16) uma nova modalidade de empréstimo imobiliário com juros pré-fixados com substituição à correção da Taxa Referencial (TR). As taxas variam de 11, generic dosage 9% ao ano, generic no caso de imóveis no valor de até R$ 130 mil, a 13,5% ao ano para imóveis acima de R$ 350 mil.

Até agora as operações para financiamento imobiliário eram realizadas somente por meio de contratos em que as prestações eram reajustadas utilizando a TR, índice que corrige os depósitos de poupança, mais juros de 6% a 12% dependendo da renda do interessado e o valor do imóvel.

Veja na tabela abaixo como ficam as condições oferecidas pelo banco para financiamentos com taxas pré-fixadas sem TR:

Condições da CEF Débito em conta ou consignação Pagamento mediante carnê
Imóvel até R$ 130 mil 11,9% 12,9%
Imóvel entre R$ 130 mil e R$ 350 mil 13,5% 14,5%
Imóvel acima de R$ 350 mil 14% 14,5%
Prazo 180 meses 180 meses
Quota de financiamento 80% 80%

 

Veja também como ficam as condições de finaciamento oferecidas para financiamentos com taxas pós-fixadas mais TR:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Condições da CEF Débito em conta ou consignação Pagamento mediante carnê
Imóvel até R$ 130 mil 9% 10%
Imóvel entre R$ 130 mil e R$ 350 mil 11,5% 12%
Imóvel acima de R$ 350 mil 12,5% 13%
Prazo 240 meses 240 meses

Um experimento feito por alunos do ensino médio de uma escola pública de Sobradinho, site cidade-satélite do Distrito Federal, pilule chama a atenção na 3ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.

Eles desenvolveram um óculo-sonar que emite sinais para os deficientes visuais quando eles estão próximos de obstáculos, evitando que eles se choquem. Os óculos têm um sensor que calcula a distância entre a pessoa e o objeto e gera um som cuja intensidade varia de acordo com a proximidade.

O equipamento também pode ser usado por pessoas que tenham ao mesmo tempo deficiência visual e auditiva. Neste caso, o aparelho emite uma vibração.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O coordenador do projeto, professor Antônio Jacó de Souza, explica que os óculos funcionam como um complemento da bengala, pois evita o choque com objetos mais altos que não são percebidos pela bengala, como orelhões e placas de sinalização.

Os autores do projeto aplicaram os conhecimentos aprendidos no Programa Robótica com Sucata. Segundo Souza, o interesse pela ciência cresceu de forma unânime entre os estudantes.

“O projeto vem estimular talentos e oportunizar carreiras. Pela experiência que tiveram com a atividade de robótica, os estudantes estão mais otimistas, motivados, com mais criatividade”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na avaliação do professor, a atividade mostra que ciência pode ser desenvolvida em um laboratório simples e estar a serviço da comunidade. “Conseguimos desenvolver algo que é benéfico para a comunidade. É uma forma de mostrar para o aluno que podemos oportunizar carreiras em um ambiente simples”.

Os idealizadores dos óculos-sonar já entraram com pedido de patente. A intenção, de acordo com Souza, é que o equipamento se popularize. Segundo ele, o óculo pode ser montado em qualquer oficina, com custo de aproximadamente R$ 200.

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia é realizada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e vai de hoje a 23 de outubro.

Leia também:
Semana mostra experimentos tecnológicos a serviço da comunidade
Semana de Ciência e Tecnologia movimenta Esplanada dos Ministérios

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O dólar fechou em baixa de 0, ailment 33% hoje, cialis 40mg vendido a R$ 2,13, seguindo a tendência da moeda no mercado internacional e o bom desempenho de outros segmentos.

"Na falta de alguma coisa mais importante aqui, estamos acompanhando o mercado internacional, o dólar está se desvalorizando frente a todas as moedas desde a abertura", disse Mário Battistel, diretor de câmbio da corretora Novação.

O dólar enfraquecia ante o iene depois de o banco central da Rússia ter afirmado que irá reforçar suas reservas em moeda japonesa. A divisa norte-americana também perdia terreno para outras moedas, enquanto investidores adotavam cautel a antes de indicadores ao longo da semana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre os dados esperados para os próximos dias, estão os índices de preços no atacado e de preços ao consumidor nos Estados Unidos.

"O saldo comercial da segunda semana de outubro também foi bastante elevado, ou seja, tem bastante dólar entrando", completou Battistel.

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1 bilhão na semana passada, o que elevou o saldo positivo acumulado no ano para US$ 36,132 bilhões.

O operador de câmbio da corretora Didier Levy, Júlio César Vogeler, lembrou que a agenda da semana está cheia, já que além dos indicadores nos EUA há decisão sobre a taxa referencial de juro no Brasil, na quarta-feira.

"Mas acho que não dá para ter grandes surpresas, acho que vamos para 13,75%", disse o operador. Atualmente, a Selic est á em 14,25%.

O operador citou ainda o retorno de investidores estrangeiros para ativos brasileiros. A Bolsa de Valores de São Paulo tem superávit externo de R$ 516,5 milhões no mês até o dia 10.

O Banco Central realizou leilão de compra de dólares nesta sessão e aceitou seis propostas, com corte a R$ 2,134. As aquisições diárias de dólar servem para recompor as reservas internacionais.

Com a ajuda da liquidação financeira da emissão de US$ 300 milhões em bônus em reais, as reservas atingiram na sexta-feira o maior nível histórico, de US$ 74,954 bilhões.

Battistel, da Novação, acredita que o patamar elevado não deve afastar o BC das compras de moeda.

"O BC realmente precisa comprar para retirar o excesso de liquidez e tentar desvalorizar um pouco o real", disse. Ele observou, porém, que a operação deixa a autoridade monetária em situação complicada.

"Se deixar de comprar no mercado aqui, o dólar fica cada vez mais barato, mas se comprar muito, paga juros caros e aumenta a dívida interna de uma maneira absurda", explicou.






Você pode gostar