Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Califórnia diz ‘sim’ para que motoristas de apps trabalhem sem vínculos empregatícios

Os americanos votaram em diversos referendos locais, em temas como impostos para grandes empresas, controle de aluguel e posse de drogas

Foto: Reprodução

Fernanda Ezabella
Billings Montana, EUA

“Sim” para cogumelos mágicos, “não” para o direito ao aborto. Nesta terça-feira (3), os americanos votaram em diversos referendos locais, em temas como impostos para grandes empresas, controle de aluguel e posse de drogas. Algumas campanhas foram tão acirradas que arrecadaram quantias recordes.

Só na Califórnia, as 12 iniciativas levadas às urnas movimentaram US$ 785 milhões (R$ 4,5 bilhões).

A mais cara da história do estado, chamada “Proposition 22”, foi liderada por cinco empresas de aplicativos de carona e entregas -Uber, Lyft, DoorDash, Instacart e Postmates-, que deram mais de US$ 200 milhões (R$ 1,1 bilhão) à causa. O esforço valeu a pena.

Os californianos disseram “sim” para que motoristas continuem trabalhando sem vínculos empregatícios. A iniciativa foi criada para isentá-los de uma nova lei estadual, aprovada no ano passado, para exigir a trabalhadores de certas indústrias tratamento similar a de empregados contratados com benefícios.

Outros dois referendos cujas campanhas levantaram cada uma mais de US$ 125 milhões (R$ 719,6 milhões) não tiveram o mesmo sucesso. Deu “não” para o aumento de imposto sobre imóveis de grandes corporações e também deu “não” para a expansão de uma medida de controle de aluguéis, que limitaria o acréscimo em valores cobrados em edifícios com mais de 15 anos.

O estado mais populoso dos EUA, com quase 40 milhões de habitantes, decidiu estender o direito ao voto para quem cumpre pena condicional, mas negou o mesmo acesso a pessoas de 17 anos que teriam 18 na época das próximas eleições gerais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Oregon e o Distrito de Columbia, por sua vez, aprovaram medidas relacionadas a drogas psicodélicas.

Enquanto a capital, Washington, descriminalizou seu uso, Oregon virou o primeiro estado do país a legalizar terapias com psilocibina (ingrediente psicoativo de cogumelos alucinógenos) em ambientes médicos para pacientes com 21 anos ou mais.

A droga será usada em tratamentos para depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático.

O estado também descriminalizou a posse de certas substâncias controladas, incluindo cocaína, heroína e metanfetamina. “Oregon fez história nesta noite ao descriminalizar a posse de drogas. Esta vitória é realmente transformadora”, anunciou nas redes sociais a Drug Policy Alliance, que liderou a campanha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A nova medida direciona parte da receita das vendas recreativas de maconha para programas de tratamento de dependência de drogas. A cânabis foi levada às urnas e aprovada em Arizona, Nova Jersey, Montana e Dakota do Sul. Agora são 15 os estados onde o consumo recreativo é legalizado.

Em 2012, Colorado e Washington foram os primeiros a votar a medida. O uso medicinal é liberado em 33 estados e na capital, ainda que siga ilegal no âmbito federal.

O direito ao aborto foi votado em dois estados, com resultados opostos. A Louisiana, estado ao sul do país, com 4,6 milhões de habitantes, disse não ao direito ao aborto e à qualquer financiamento público ao procedimento. Já o Colorado, com 5,7 milhões de moradores, votou contra uma medida que visava proibir o aborto depois de 22 semanas de gravidez.

Porto Rico, território americano no Caribe com 3 milhões de habitantes, votou pela terceira vez em dez anos para se tornar o 51º estado do país. Os porto-riquenhos são cidadãos americanos, mas não votam para presidente nem possuem representação eleitoral no Congresso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até a publicação deste texto, o resultado não havia sido definido.

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE





Você pode gostar