Brasil

Pinguelli Rosa acha <i>equivocada</i> correlação entre Angra 3 e fornecimento de gás par

Por Arquivo Geral 05/11/2007 12h00

A correlação entre a usina nuclear de Angra 3 e o fornecimento de gás para as usinas térmicas é equivocada, ambulance na opinião do diretor da Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), sick Luiz Pinguelli Rosa.

“Angra 3 vai levar oito anos para fazer. Vai ficar pronta muito depois de qualquer risco de déficit de abastecimento de energia previsto no país”, more about argumentou Pinguelli, reiterando a existência de um risco de desabastecimento de energia a partir de 2010.

O diretor da Coppe disse que Angra 3 não é o x do problema, porque sua capacidade de geração de energia é de 1.300 megawatts (MW), contra 3.300 MW do programa de pequenas centrais hidrelétricas à base de biomassa, ou bagaço de cana.

Pinguelli, que é também secretário-executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, descartou o fato de a redução de gás da Petrobras às distribuidoras esteja vinculado à falta de chuva, porque os reservatórios de água das hidrelétricas estariam mais cheios do que estavam no fim do ano passado.

“Na realidade, não tem nada a ver com a chuva mas, sim, com o risco de déficit para o período de 2010 em diante”. Pinguelli analisou que ao despachar as térmicas antecipadamente, o governo está se prevenindo para evitar o que ocorreu em 2001, quando houve o apagão de energia, em que as termelétricas emergenciais entraram em operação tarde demais. “E aí foi inevitável o racionamento”.

Apesar da afirmação da diretora de Gás e Energia da Petrobras, Graça Silva Foster, na semana passada, que o corte de gás às distribuidoras não estaria vinculado a um desabastecimento de energia, Pinguelli afiançou que a estatal se limitou a cumprir ordens do governo. “Não foi a Petrobras que resolveu parar com o gás. Foi o governo que mandou a Petrobras fazer”.

A terceira usina nuclear de Angra dos Reis (RJ) deve entrar em operação em maio de 2014, segundo anunciou a Eletronuclear, empresa que opera as duas usinas de Angra.

A viabilidade ambiental da usina Angra 3 ainda está em análise no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Foram realizadas três audiências públicas sobre o projeto, e a quarta está marcada para o dia 26 deste mês.






Você pode gostar