Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Pesquisa do IBGE sobre sexualidade é frágil e ignora trans, dizem especialistas

Uma pesquisa feita pelo portal Gênero e Número mostrou que 51% dos entrevistados disseram ter sido vítimas de pelo menos uma agressão

Por FolhaPress 25/05/2022 6h47
ibge Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Matheus Moreira
São Paulo, SP

A divulgação dos primeiros dados sobre orientação sexual da população brasileira feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta (25) indica que cerca de 95% da população brasileira se declara heterossexual, 1,8% homossexual e 1,1 bissexual. O dado, porém, é visto por especialistas como frágil por ignorar a sexualidade de pessoas transgênero e promover um reforço simbólico da heterossexualidade como padrão.

A pesquisa foi feita por meio da PNS (Pesquisa Nacional de Saúde) em 2019. O instituto, porém, não investigou o tamanho da população transgênero e a prevalência de cada orientação sexual nesse grupo –uma pessoa transgênero pode se declarar como heterossexual ou homossexual, entre outros.

A amostragem da pesquisa é de 108 mil domicílios e a declaração do entrevistado foi obtida por meio da pergunta “Qual a sua orientação sexual?”. A princípio, a resposta deveria ser espontânea, mas, caso o entrevistado pedisse opções, seriam oferecidas: “Heterossexual”, “Bissexual”, “Homossexual”, “Outra. Especifique”, “Não sabe” e “Recusou-se a responder”.

Uma das informações que chamaram atenção é o número de entrevistados que optaram por não responder à pergunta, 2,3% (3,6 milhões de pessoas), maior do que a soma do percentual daqueles que se declararam homossexuais e bissexuais, 1,8% (2,9 milhões de pessoas).

A antropóloga Regina Facchini, pesquisadora e docente do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu da Unicamp, diz que apesar dos problemas os dados são importantes e auxiliam na compreensão do Brasil.
Ela destaca que o resultado indica que ainda não há um ambiente confortável para que brasileiros possam falar abertamente sobre sua orientação sexual.

A coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Franca Pontes Vieira, disse em entrevista coletiva na manhã desta quarta que as equipes do IBGE foram orientadas a fazer a pergunta sobre a orientação sexual dos moradores em ambiente com privacidade ou a entregar ao entrevistado o equipamento para que respondesse à pergunta sem precisar verbalizar as respostas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Questionado, o IBGE disse que o percentual de privacidade desse quesito foi de 90%.

Para Marco Aurélio Máximo Prado, coordenador do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT+ da UFMG, a pesquisa é frágil devido à forma como os dados foram coletados. “Vivemos numa sociedade LGBTfóbica. Para perguntar sobre orientação sexual e identidade de gênero, é necessário preparar metodologias próprias e pesquisas cuidadosas”, afirma.

O aumento da violência contra esses grupos em regiões mais conservadoras, como no interior do país, pode ter sido um fator determinante para inflar o número de pessoas que preferiram não responder.

“Simplesmente não há um contexto favorável para que as pessoas se sintam bem ao declarar sua orientação sexual. Há repúdio e violência às homossexualidades em geral, portanto, não se pode esperar que as pessoas neste contexto se sintam bem ao falar sobre sua sexualidade”, diz Prado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

IDENTIDADE DE GÊNERO

A pesquisa não apura a questão da identidade de gênero –por exemplo, quem é transgênero (não se identifica com o sexo biológico) e quem é cisgênero (quando há identificação com o sexo biológico). Levanta apenas a orientação sexual, que independe dessa identidade.

“Eu não consigo vislumbrar nesses números a quantidade de pessoas trans brasileiras”, aponta Keila Simpson, presidente da Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais). Ela classifica a pesquisa como superficial e afirma que, apesar de trazer dados importantes, precisa ser analisada com atenção.

Em março deste ano, o Ministério Público Federal ingressou com uma ação civil pública na Justiça Federal do Acre contra o IBGE para que o Censo 2022 incluísse perguntas sobre população LGBTQIA+, inclusive a contagem da população transgênero.

O instituto alega que o censo demográfico “não é adequado para sondagem ou investigação de identidade de gênero e orientação sexual”. Segundo o IBGE, a Justiça concedeu ao instituto o direito de não abordar orientação sexual e identidade de gênero no Censo 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A antropóloga Regina Facchini classifica como injustificável a ausência de dados de identidade de gênero na pesquisa. “É uma forma de apagar socialmente a existência dessas pessoas e dessas populações”, disse.

A pesquisa foi realizada em 2019 –para Facchini, um ano de incertezas para as populações LGBTQIA+ diante da agenda conservadora do recém-empossado Jair Bolsonaro (PL). Quando deputado, Bolsonaro chegou a dizer que era “homofóbico com orgulho”.

Uma pesquisa feita pelo portal Gênero e Número mostrou que 51% dos entrevistados disseram ter sido vítimas de pelo menos uma agressão no segundo semestre de 2018, período de disputa eleitoral. A pesquisa indica ainda que 56% das pessoas transgênero foram vítimas de violência mais de três vezes durante as eleições.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na entrevista desta quarta, Vieira disse que o instituto optou por apenas uma pergunta sobre orientação sexual na PNS para “estudar e compreender” [o cenário]. “Esse é um tema que nunca tínhamos tratado e sentimos a necessidade de fazer”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ela explica que a iniciativa foi uma experiência e reconhece que o IBGE ainda precisa “avançar na investigação do tema”, porque tem “melhorias metodológicas que podem e devem ser feitas”.








Você pode gostar