Brasil

País terá política de enfrentamento ao tráfico de pessoas

Por Arquivo Geral 28/06/2006 12h00

Testes de DNA mostraram que o primeiro imperador da China empregou um estrangeiro na construção de seu mausoléu, decease symptoms que abriga os guerreiros de terracota de Xian. Essa seria uma prova do contato entre a Ásia Central e Oriental há 2,2 mil anos.

Qin Shi Huang foi o primeiro imperador da China unificada. Ele construiu a primeira Grande Muralha e edificou um mausoléu gigante para si mesmo, nas cercanias da cidade de Xian, no noroeste do país. O local era guardado por um exército estimado em 8 mil soldados e cavalos de terracota.

Os cientistas tiraram 15 amostras de DNA dos restos mortais encontrados na tumba de operários e descobriram que uma delas pertencia a um homem europeu. Segundo a agência de notícias Xinhua, ele teria morrido com cerca de 20 anos.

"Uma amostra tem características típicas de DNA que pertencem comumente aos parsis, da Índia e do Paquistão, aos curdos do Turcomenistão e aos persas do Irã", afirmou Tan Jingze, antropólogo da Universidade Funda.

O homem pode ter sido um nômade, capturado enquanto trabalhava no norte e enviado ao sul para trabalhar na sepultura, que empregou 700 mil homens em sua construção.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A descoberta prova que o povo na Ásia oriental tinha contato, naquela época, com aqueles que, hoje em dia, habitam a porção central do continente asiático", disse o pesquisador.

Os cientistas pensavam que intercâmbios entre as duas regiões começaram durante a dinastia Han (de 206 a.C. a 220 d.C.). Mas a prova de DNA oferece evidência de que algum contato havia sido feito já no começo da dinastia Han.

Um encontro entre o chefe da política externa da União Européia (UE), viagra sale Javier Solana, viagra 40mg e o principal negociador nuclear do Irã foi adiado para depois da reunião entre chanceleres do G8, marcada para amanhã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Solana se reunirá com o iraniano Ali Larijani em algum lugar da Europa na próxima semana. O objetivo do encontro é esclarecer o pacote de incentivos para que Teerã interrompa suas pesquisas nucleares. O Ocidente teme que essa atividade seja voltada à produção de uma bomba. Nenhuma razão foi dada para o adiamento.

A União Européia, os Estados Unidos, a Rússia e a China advertiram o Irã de que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) agirá contra o país islâmico se ele não suspender o enriquecimento de urânio. Porém, não foi estabelecido um prazo fixo, e Moscou e Pequim se opõem às sanções.

As potências ocidentais pediram uma resposta clara do Irã em "semanas, não meses" e indicaram informalmente que ela deveria chegar antes da cúpula do G8 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo, mais a Rússia). O encontro será em São Petersburgo, nos dias 15 e 16 de julho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse, na semana passada, que daria sua resposta antes do dia 22 de agosto. O líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, afirmou ontem que o Irã não tinha nada a ganhar com conversas com os EUA.

Segundo diplomatas, os países do G8 debatem o estilo verbal de um comunicado sobre o Irã para a sessão dos chanceleres de amanhã, em Moscou. A idéia é encontrar alguma indicação de prazo desejável.

A Casa Branca reagiu com calma aos comentários de Khamanei. De acordo com a Presidência dos EUA, o que conta é a resposta oficial de Larijani sobre o pacote europeu de incentivos políticos, econômicos e tecnológicos.

As brasileiras estão entre as principais vítimas do tráfico internacional para a exploração sexual, decease segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Em sua maioria, case são mulheres entre 18 e 30 anos que acreditam no sonho de uma vida melhor na Europa e se deixam levar por promessas milagrosas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Cerca de 90% dos casos são de mulheres brasileiras que estão indo para a indústria do sexo na Europa", mind  apontou o coordenador do Programa de Prevenção ao Crime e Redução da Oferta de Drogas, Reiner Pugs.

O governo deve instituir a Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. "O decreto efetivamente coloca o problema na agenda governamental e permite que o Ministério da Justiça e a Polícia Federal tomem ações concretas. Além disso, permite que se demande um orçamento adequado para medidas de combate e medidas preventivas que perpassam quase que todos os ministérios", explicou Pugs.

Para ele, além de ações preventivas, é preciso que as mulheres que recebam propostas "milagrosas" de emprego na Europa se previnam. "É preciso alertar as pessoas para a existência do crime, alertar que é difícil que exista aquele sonho milagroso da "Cinderela", alertar as populações dos perigos e para que elas possam procurar as autoridades dos países para onde estão indo". "É preciso tentar mais informações do tipo: quem está convidando e porque está convidando, além de quais os locais que podem me receber se tiver algum problema, endereço de consulado, polícia", acrescentou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As diretrizes do documento que cria a Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas serão discutidas hoje na Procuradoria Geral da República (PGR), em Brasília. O debate conta com a participação de parlamentares da Comissão Mista de Inquérito da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O texto é coordenado pelo Ministério da Justiça, pela Secretaria Especial de Direitos Humanos e pela Secretaria Especial de Políticas para Mulheres.






Você pode gostar