Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Antes da morte de Henry, Jairinho enforcou Monique

Em outras mensagens trocadas com o pai, a babá disse que Jairinho “passou o dia todo ligando” para Monique, após as agressões. “Como se nada tivesse acontecido”, escreveu

Dr. Jairinho, namorado de Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, sae da Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP) após prestar depoimento sobre a morte do menido de 4 anos. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

De acordo com mensagens encontradas no celular da babá de Henry, a polícia constatou que o vereador Dr. Jairinho (sem partido) enforcou e agrediu a professora Monique Medeiros cinco dias antes da morte da criança.

A babá, Thayná de Oliveira Ferreira, disse que Jairinho arrumou as malas e estava pronto para deixar o apartamento, na Barra da Tijuca (RJ), após uma briga do casal. Segundo ela, o parlamentar estava sem saída porque continuaria arcando com as despesas da professora.

“As malas dele está [sic] lá. Ele bateu nela. Enforcou. E ela disse que ele vai sair. Mas que vai ficar pagando as coisas dela. Senão vai f* ele. Aí ele tá com o rabo entre as pernas”, diz a mensagem.

Em outras mensagens trocadas com o pai, a babá disse que Jairinho “passou o dia todo ligando” para Monique, após as agressões. “Como se nada tivesse acontecido”, escreveu.

De acordo com as investigações, as mensagens da babá são provas de que a mãe de Henry não era manipulada pelo companheiro. Em uma das cartas escritas por Monique, ela relata que sofria agressões desde 2020.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Andamento do caso

O menino Henry foi morto na madrugada do dia 8 de março. Jairinho e Monique, que eram padrasto e mãe da criança, foram indiciados por homicídio duplamente qualificado, com uso da tortura e meios que dificultaram a defesa da vítima.

O casal está atrás das grades desde o dia 8 de abril por suspeita de atrapalhar as investigações e ameaçar testemunhas.

A Polícia também abriu investigação para apurar um falso testemunho prestado pela babá da criança no seu primeiro depoimento na delegacia

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar