fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Servidora pública é agredida dentro de casa com barra de ferro por estranhos de capacete

Segundo a Polícia Civil, a mulher está internada se recuperando das fraturas nos braços, pernas e rosto, além de ter tido Alguns dentes quebrados e o cabelo cortado com faca

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da Redação
[email protected]

Dois homens encapuzados e usando capacete entraram na residência de uma funcionária da Prefeitura de Itaguari, região central de Goiás, e a espancou dentro de casa. Adriana Fernandes de Oliveira, 48 anos, levou socos e golpes de barra de ferro, além de ter tido o cabelo cortado.

Segundo a Polícia Civil, Adriana está internada se recuperando das fraturas nos braços, pernas e rosto, além de ter tido Alguns dentes quebrados.

Após ser internada em Itaguari, a servidora foi transferida ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage Siqueira (Hugol), em Goiânia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A agressão aconteceu na noite do último dia 24 de outubro. Ela e o filho, de 17 anos, estavam em casa, qunado foram surpreeendidos pelos homens de capacete. O adolescente também foi agredido. Além da barra de ferro, os agressores estavam com uma arma de fogo e uma faca.

“Eles entraram, deram um soco no meu filho. Um deles, que estava com uma arma, tirou uma barra de ferro e começou a me espancar. O outro veio começou a me espancar de murro e puxou minha cabeça para cima, meu cabelo era grande. Cortou meu cabelo com a faca”, contou Adriana.

O jovem tentou pedir socorro na rua, mas não encontrou ninguém. Ao voltar para casa, pediu que os agressores parassem. Em seguida, após a série de espancamento – que durou cerca de 5 minutos – os homens fugiram em um carro.

Adriana já passou por três cirurgias, nos dois braços e em uma das pernas, e ainda espera por mais duas, também na perna e na mandíbula, portanto, ainda sem previsão de alta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Investigação

Segundo o delegado da Polícia Civil que apura o caso, Leandro Pinheiro, já exite uma linha de investigação em curso sobre autoria e motivação par ao crime.

“Não descarto nenhuma possibilidade. Já começamos a ouvir algumas testemunhas e estamos em busca de câmeras de segurança que possam ter flagrado a fuga dos criminosos”, afirmou.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade