Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Questões homofóbicas em prova de língua portuguesa são denunciadas na internet

O caso aconteceu em Belém. A OAB-Pará se manifestou e afirma que o caso se enquadra no crime de homofobia, além de atingir o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da Redação
redacao@grupojbr.com

Um caso de homofobia dentro de uma escola particular localizada no bairro da Marambaia, em Belém, denunciado pelo irmão de uma estudante, tomou diversas redes sociais nesta terça-feira (19).

Após realizar uma prova de língua portuguesa na última segunda-feira(18), a estudante de 14 anos, do 9º ano da Escola Adventista de Belém, mostrou o conteúdo ao irmão, que prontamente classificou como homofóbico, de acordo informações do G1.

Reprodução: Arquivo pessoal

Perguntas sobre condenação e métodos para “evitar” a homossexualidade faziam parte do questionário homofóbico, formado por 50 perguntas. A prova seria de consulta sobre o livro “De bem com você”, de Sueli Nunes Ferreria.

Reprodução: Arquivo pessoal

O irmão postou parte da prova nos Stories do Instagram. Com toda a repercussão, a família procurou a escola e registrou uma ocorrência na Polícia. Segundo o próprio irmão da aluna, o próximo passo é procurar o Ministério Público do Estado (MPPA) e registrar a denuncia também no Conselho Estadual de Educação.

A OAB-Pará se manifestou e afirma que o caso se enquadra no crime de homofobia, além de atingir o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Nota

Em nota, a Escola Adventistas Belém disse que as questões contidas no questionário tinham como objetivo colher as diversas opiniões e sentimentos sobre a temática em estudo e davam a cada estudante a oportunidade de expressar livremente sua opinião. O livro de referência serviu como auxílio na tarefa, o que ocorre em várias disciplinas.

Segundo a instituição, a Escola Adventista procura proporcionar um debate qualificado a respeito do assunto, e busca formar um cidadão que respeita opiniões diversas e todos os indivíduos, sem qualquer tipo de discriminação sexual, racial, religiosa, ou de outra natureza, com uma proposta educacional de alta qualidade, pautada em valores baseados na Bíblia.


Leia também
Publicidade