fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Polícia encontra R$ 1,3 milhão em porsche apreendido após operação

Com ajuda dos bombeiros, as portas e o porta-malas foram arrombados. Além do dinheiro, alguns documentos de transferência bancária foram encontrados e serão analisados

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da Redação
redacao@grupojbr.com

A operação contra a fabricação ilegal de remédios para emagrecer, deflagrada em Goiânia, chegou a R$ 1,3, milhão escondidos em malas dentro de um porsche, apreendido na última quarta-feira (4), quando as autoridades fecharam uma indústria em Cachoeira Alta. Ao todo, 11 pessoas foram presas, algumas no local, outras em Goiânia e interior de Minas Gerais.

Segundo a polícia civil, a autorização para abrir o carro de luxo apreendido só saiu nesta segunda-feira (4). Com ajuda dos bombeiros, as portas e o porta-malas foram arrombados. Além do dinheiro, alguns documentos de transferência bancária foram encontrados e serão analisados.

Mais presos

Também nesta segunda-feira, os policiais cumpriram mais mandados de prisão preventiva contra dois homens suspeitos de envolvimento no esquema. Um foi preso em Rio Verde, e outro, em Quirinópolis. Os nomes não foram divulgados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A operação

Nove suspeitos foram presos e uma fábrica clandestina de remédios para emagrecer fechada pela polícia civil de Goiás, em Cachoeira Alta, nesta quarta-feira (4).

Na apreensão, as autoridades retiveram milhares de cápsulas e veículos de luxo que estavam com os detidos.

Os criminosos vendiam os medicamentos pela internet, para todo o país. Os comprimidos estavam se popularizando entre internautas nos últimos meses.

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, por meio de nota, que “não há nenhum fabricante de medicamentos com autorização de funcionamento da Anvisa no município de Cachoeira Alta” e nenhum no Brasil registrado com os nomes usados pelos investigados nas embalagens.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os presos devem responder pelo crime de falsificação, com pena de 15 anos de prisão.

A operação envolveu mais de 40 policiais. Alguns foram detidos em casa outros na própria fábrica. Não foi divulgado se a fábrica clandestina tinha algum nome de fachada para disfarçar a real produção.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade