Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Na Hora H!

Mulher morre após troca de tiros entre segurança e cliente sem máscara em supermercado

De acordo com as autoridades, a vítima, que é funcionária do supermercado, foi baleada após a confusão entre os dois homens.


Uma mulher foi morta na tarde desta terça-feira (28), em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, após uma confusão entre um segurança de um supermercado e um homem que tentava entrar no estabelecimento sem máscara.

De acordo com as autoridades, a vítima, que é funcionária do supermercado, foi baleada após a confusão entre os dois homens. Além da funcionária, o segurança terceirizado foi agredido pelo cliente.

A máscara é equipamento obrigatório no comércio da cidade por causa da pandemia do novo coronavírus. O cliente não usava o equipamento quando foi impedido de entrar no local. Segundo a Guarda Municipal, segurança e cliente entraram em luta corporal, e na sequência, o contratado da empresa atirou, mas acabou atingindo a mulher.

A empresa lamentou e emitiu uma nota:

“A rede lamenta profundamente o ocorrido em sua loja de Araucária e informa que está prestando todo o apoio e ajuda à família.

A empresa também está contribuindo com as investigações e prestando todos os esclarecimentos necessários para que as autoridades esclareçam os fatos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo informações obtidas pela Guarda Municipal de Araucária, o incidente foi desencadeado por um cliente que tentou entrar no estabelecimento sem máscara e, que ao ser informado sobre o decreto Municipal que exige o uso da EPI, agrediu o funcionário, que inclusive tentou oferecer uma máscara da empresa, sem custo, para que ele pudesse fazer as suas compras.

O funcionário agredido pediu ajuda pelo rádio para empresa terceirizada de segurança. O cliente e o vigilante estavam calmamente se direcionando para a entrada da loja, onde o cliente iniciou uma série de agressões contra o vigilante e tentou pegar a arma do segurança.

Houve um disparo que atingiu de raspão o cliente agressor e um disparo que atingiu a fiscal de loja, que estava tentando apaziguar a situação e prestar os esclarecimentos sobre os decretos.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nota do Grupo Protege, empresa do segurança terceirizado:

“A empresa lamenta profundamente o ocorrido e presta total solidariedade à família e aos amigos da vítima. Informamos que empresa está colaborando com as autoridades na busca de informações que possam contribuir para a investigação do caso.”






Você pode gostar