fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Jovem estupra e mata a facadas tia de 64 anos. ‘Não tinha intenção, mas deu vontade’

Enquanto o jovem a agarrava, a idosa pegou uma faca para se defender, mas ele conseguiu tomar a arma branca e a feriu com um corte fundo no pescoço

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Divulgação/Polícia Civil
PUBLICIDADE

Da redação
[email protected]

A polícia prendeu um homem de 24 anos após ele confessar que estuprou e matou a facadas a própria tia, de 64 anos. Ele foi encontrado em um assentamento rural e comentou o crime. “Não tinha intenção, mas deu vontade.”

O caso aconteceu em Nova Andradina-MS. Ele foi preso na quinta-feira (25/7), mas cometeu o crime no último dia 19. Segundo o delegado Rafael Carvalho, ele chegou à casa da tia após ter consumido bebida alcoólica, pulou o muro e a violentou sexualmente. Depois, matou-a com facadas.

Faca que sobrinho usou para matar idosa após estuprá-la. Foto: Divulgação/Polícia Civil

A delega da Delegacia da Mulher (DAM) de Nova Andradina, Daniella Nantes, afirmou que o jovem tinha convivência com a tia, chegando a dormir em um quarto aos fundos da residência dela às vezes.

No dia do crime, ele pulou o muro mesmo não tendo certeza de que um dos filhos dela poderia estar na casa. O homem observou a idosa no momento em que ela levantou-se à noite para ir até a cozinha, arrombou uma das portas e agarrou a idosa. Eles dois caíram no chão e a vítima o reconheceu, chamando-o pelo nome e dizendo que contaria para a mãe dele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A idosa pegou uma faca de serra para se defender do jovem, mas ele tomou de sua mão e a feriu com um corte profundo no pescoço. O suspeito não conseguiu concluir o ato sexual, mas chegou a ejacular nas partes íntimas dela. Ele jogou as roupas ensanguentadas em uma fossa e a arma do crime próximo a um córrego.

O suspeito já tinha passagens por tentativa de estupro e por tentar entrar em uma casa onde duas meninas estavam sozinhas. O caso contra a tia dele foi registrado como estupro seguido de morte, mas por ainda não ter finalizado o inquérito, há possibilidade de passar-se o caso para feminicídio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade