Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Na Hora H!

Idosa é amarrada, agredida e morta durante assalto dentro de casa, em Goiânia

Nesta segunda-feira, 16, uma idosa de 87 anos foi amarrada, agredida e morta durante um assalto a casa dela, no Jardim Ana Lúcia, em Goiânia

Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Nesta segunda-feira, 16, uma idosa de 87 anos foi amarrada, agredida e morta durante um assalto a casa dela, no Jardim Ana Lúcia, em Goiânia. Dois homens foram detidos suspeitos do latrocínio. Segundo a Polícia Militar, eles já tinham trabalhado como pedreiros na casa da vítima.

Segundo os policiais, Jeanette Alexandre Marao Khayat estava em casa quando um homem e um adolescente pediram para entrar com a desculpa de que precisavam fazer alguns reparos na reforma do imóvel. A vítima deixou que os dois entrassem e acabou rendida e morta.

Vizinhos desconfiaram do portão aberto na casa da vítima e chamaram a filha dela, que encontrou a mãe com as mãos amarradas, sinais de agressão e sem vida.

A polícia foi ao local e começou a conduzir buscas pelos criminosos. Câmeras mostram quando homens entram no imóvel de um dos investigados levando objetos roubados da casa da vítima. A PM identificou que os itens foram anunciados para a venda em redes sociais.

Após monitorar as negociações, os policiais prenderam em Aparecida de Goiânia um homem de 31 anos, apreenderam um adolescente, e detiveram um terceiro homem, que teria comprado alguns dos produtos roubados.

Paulo Silas de Jesus, de 31 anos, disse à PM que apenas foi ao local do crime com o adolescente e dirigiu o carro da vítima na fuga. Ele contou que não viu como a idosa foi morta.

O homem suspeito de comprar os itens roubados disse aos policiais que não tem participação na morte de Jeanette e apenas comprou os produtos anunciados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A polícia acredita que foi um crime planejado.

“O menor apreendido seria a pessoa mais violenta e, juntamente, com o Paulo, tiveram a ideia de retornar à casa da dona Jeanette e fazer essa mentira de fazer um reparo no serviço passado. Quando eles entraram, amarram a vítima. Tem vários sinais de espancamento e subtraíram televisores e outros materiais”, disse o tenente-coronel Marcelo Dias de Mendonça.








Você pode gostar