fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Homem é preso suspeito de vender Santo Daime em casa de oração

Uso da substância é proibido por lei, já que é utilizada em rituais religiosos, no entanto, a comercialização é ilegal

Avatar

Publicado

em

Foto: Divulgação/Polícia Civil
PUBLICIDADE

Um administrador, de 41 anos, foi preso em flagrante após uma investigação de uma equipe da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) apontar que ele estaria utilizando uma casa de orações para comercializar o Santo Daima, além de outros entorpecentes. 

O suspeito reside em Itanhaém-SP.  Segundo a Polícia Civil, a equipe apurou que existia um imóvel no bairro, usado como casa de oração, que também seria destinado ao cultivo e comércio da substância Ayahuasca, também conhecida como chá de Santo Daime.

O uso da substância é proibido por lei, já que é utilizada em rituais religiosos, no entanto, a comercialização é ilegal. A bebida é produzida a partir do cozimento de folhas de Chacrona e de um tipo de cipó conhecido como Mariri.

Após ser feita a apuração das informações, uma equipe de investigadores se deslocou até o local e foi recebida pelo suspeito. O administrador alegou que era adepto do uso religioso da Ayahuasca. O homem autorizou a entrada das autoridades, que identificaram uma grande quantidade de plantas destinadas ao cultivo do chá de Santo Daime. Além disso, os policiais encontraram uma grande quantidade de maconha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A polícia informou que, embora exista resolução do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (Conad), publicada em 2010, que autoriza o uso da substância em rituais religiosos, a comercialização da Ayahuasca é ilegal.

Os policiais apreenderam 350 gramas de maconha ‘in natura’ e um frasco de 21 gramas, com sementes da planta. As autoridades também recolheram 46 litros de chá de Santo Daime na forma líquida e 33 litros do chá em gel, três balanças digitais, um bloco de recibo e um aparelho celular. O material foi encaminhado para perícia.

Foto: Divulgação/Polícia Civil


Leia também
Publicidade