fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Enfermeira lamenta morte de marido vítima da Covid-19

“Ele pedia a Deus para morrer primeiro, para não ficar sem mim. Agora, eu estou sem ele”, relatou a esposa da vítima

Avatar

Publicado

em

Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

O técnico em enfermagem Wellington das Neves veio a óbito em maio de 2020 após passar 12 dias internado com Covid-19. “Ele pedia a Deus para morrer primeiro, para não ficar sem mim. Agora, eu estou sem ele”, relatou a esposa da vítima, a enfermeira Genilda Diniz, em entrevista ao Portal G1.

Wellington, de 47 anos, trabalhou por mais de 30 anos na área da saúde. Após contrair a Covid-19, ele foi internado em Recife-PE. Até a segunda-feira (14), mais de 23 mil profissionais de saúde foram infectados pelo novo coronavírus no estado.

Além de trabalhar como auxiliar de enfermagem, Wellington também trabalhava como técnico de imobilização e era plantonista em hospitais particulares.

Tanto Genilda quanto Wellington contraíram o coronavírus. O técnico em enfermagem foi o primeiro a apresentar sintomas, que ficaram cada vez mais graves. Os filhos, Matheus, de 23 anos, e Lucas, de 17, não tiveram sintomas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Matheus contou ao Portal G1 que o teste do pai ficou pronto apenas depois que Wellington já havia sido internado.

Em 27 de abril, Wellington foi ao hospital pela primeira vez, com 75% do pulmão comprometido pela doença.  Ao longo dos 12 dias no hospital, os órgãos dele ficaram cada vez mais debilitados. Os pulmões foram perdendo a capacidade e, em seguida, os rins. O paciente chegou, inclusive, a precisar passar por uma sessão de hemodiálise. No entanto, os médicos acreditavam que ele podia morrer se passasse pelo procedimento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No dia 2 de maio Wellington precisou ser intubado e, em 8 de maio, veio a óbito, às 22h50.

A família relata que, por apresentar comorbidades, como obesidade, doença autoimune e hipertensão, Wellington deveria ter sido afastado do trabalho. Ele era servidor público concursado. No entanto, a família não recebeu a pensão integral mensal concedida aos familiares dos profissionais que morrerem com a Covid-19,

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade