fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Cadeirante morre após ser jogado de viaduto em Bauru-SP

Suspeito teria empurrado cadeirante por cerca de dez quadras e o arremessado do viaduto

Avatar

Publicado

em

Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

O cadeirante Luiz Antônio Barreto morreu nesta quinta-feira (29) após ser jogado de cima de um viaduto durante uma suposta tentativa de assalto, em Bauru (SP). A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local. O suspeito de tê-lo jogado do viaduto foi detido e autuado por homicídio.

A vítima foi arremessada do viaduto da Rua Treze de Maio e caiu no Rio Bauru, que é canalizado entre as pistas da Avenida Nuno de Assis. Segundo as investigações preliminares da Polícia Civil, o suspeito teria levado Luiz em sua cadeira de rodas por cerca de dez quadras. Após chegar no viaduto, o acusado arremessou a vítima, que despencou de uma altura de cerca de 10 metros.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e a equipe passou mais de 30 minutos tentando reanimar o cadeirante, no entanto, ele não resistiu e veio a óbito. A Polícia Militar prendeu um homem de 37 anos, suspeito do crime. Ele estava próximo ao viaduto de onde a vítima foi arremessada.

O suspeito foi autuado por homicídio triplamente qualificado. Ele já tinha passagens por furto e roubo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foto: Reprodução

O sobrinho de Luiz, o vendedor Maycon Barreto, de 24 anos,  relatou ao Portal G1 que o tio tinha quatro filhos e três netos, mas vivia nas ruas por conta de problemas com vícios em álcool e drogas.

O familiar explicou que Luiz Antônio sofreu um acidente em uma linha de trem, na região central de Bauru, há 14 anos, que o deixou sem as pernas.

Maycon contou que o tio possuía força nos braços, devido ao tempo em que se locomoveu empurrando a cadeira de rodas. No entanto, não havia como Luiz Antônio se defender de alguém que não fosse portador de alguma limitação física.

“Ele [Luiz Antônio] sem dúvida tinha alguma força nos braços, mas não teria como se defender diante de um agressor que não tem problemas físicos. Ele podia até tentar se defender, mas seria em vão”, disse o vendedor ao Portal G1.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com Maycon, o tio era muito querido na região pelas brincadeiras e pelo bom humor. O vendedor trabalha em uma loja de roupas na região central da cidade, perto de onde Luiz pedia ajuda aos motoristas e distribuía balas no trânsito.

O sepultamento do cadeirante ocorreu no início da noite de quinta-feira (29) e o enterro foi marcado para as 9h desta sexta-feira (30).




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade