Na Hora H!

As galinhas, nova paixão dos confinados no campo

Criação de galinhas se tornou uma atividade tão popular durante o confinamento que, na Bélgica, os produtores de aves se esforçam para acompanhar o ritmo

Seja para garantir ovos frescos ou para entreter as crianças, a criação de galinhas se tornou uma atividade tão popular durante o confinamento que, na Bélgica, os produtores de aves se esforçam para acompanhar o ritmo.

“É uma loucura”, confessam Martine e Christopher Denis, da granja Limal. O casal retomou a atividade dos pais do marido e ainda não acredita no número de clientes que esperam na porta, a uma distância razoável.

“A polícia veio uma vez! Queriam saber o que estava acontecendo aqui, viram carros, uma multidão de pessoas na calçada”, explica a esposa de Christopher, que tem certa notoriedade na pequena cidade de Wavre, cerca de 48 quilômetros ao sudeste de Bruxelas.

Na granja Limal, os clientes entram e saem a um ritmo constante nesses primeiros dias de maio, mais de um mês e meio após o início do confinamento, embora, como Martine explica, nem todos venham pelos mesmos motivos.

“A princípio, vinham aqueles que tinham medo de não ter comida e que procuravam galinhas para ter ovos. Depois, aqueles que planejavam construir um galinheiro e, como ficaram sem trabalho, aproveitaram a oportunidade”, lembra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“E agora aqueles que não podem sair de férias vêm e pensam: ‘Vamos construir um galinheiro, isso manterá as crianças ocupadas’”, acrescenta a avicultora.

“O grande boom” 


Sophie Humblet veio com o marido para terminar seu projeto.

Embora o galinheiro esteja pronto, está um pouco decepcionada por ainda faltar um último esforço para tratar a madeira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Meu marido não está confinado. Ele trabalha, eu faço isso em casa. Tudo é tão calmo que eu posso cuidar dos pintinhos!”, confessa Sophie, cuja escolha passa por uma raça de galinhas poedeiras ‘Bleu de Landes’, que a família poderá comer mais tarde.

Algum conselho para o galinheiro? Isso afeta galinhas? É verdade que os ovos podem ser comidos no mesmo dia em que são postos? Apesar de suas buscas, o casal de Saint-Remy-Geest, a cerca de 30 minutos de carro, ainda tem muitas perguntas.

“Muitos clientes são novos, então você precisa explicar tudo sempre. É muito cansativo”, reconhece Martine Denis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com seu filho adolescente, Nancy Fernandez voltou menos de uma semana depois de comprar duas galinhas poedeiras, desta vez para aves de coleção. O entusiasmo da mulher, instalada no campo há seis meses, não diminuiu.

A nova paixão do seu filho de três anos pelas galinhas do vizinho a convenceu. “Era apenas um projeto” para as férias de verão, mas “devido ao confinamento e ao fato de termos ficado bloqueados em casa, pensamos ‘vamos aproveitar’”, confessa.

As vendas dispararam. “Normalmente, podemos vender 200 galinhas em um sábado, mas agora podemos chegar a 500-600”, diz Christopher Denis, para quem começa “a ser um pouco complicado” para algumas espécies poedeiras a um preço econômico de 13 euros.

Mas a escassez está se aproximando. “No momento estamos nos mantendo, mas chegamos ao início de maio, o mês do grande boom. Os idosos chegam e são todos bons clientes (…) Compram 10, 12, 20 galinhas. E, além disso, os mercados ainda estão fechados” .

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agence Frace-Presse






Você pode gostar