fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Coluna Léo Dias

Carnavalesco Paulo Barros expõe comissária de bordo e irrita profissionais do setor

Paulo é ex-comissário de bordo da Varig, expôs uma aeromoça em uma postagem no Instagram e virou alvo de críticas dos colegas de profissão da moça

Léo Dias

Publicado

em

PUBLICIDADE

O carnavalesco Paulo Barros, que cuida das escolas Unidos da Tijuca, no Rio, e Gaviões da Fiel, em São Paulo, se envolveu em uma grande polêmica nesta semana.

Ele, que é ex-comissário de bordo da Varig, expôs uma aeromoça da Azul em uma postagem no Instagram e virou alvo de uma onda de críticas dos colegas de profissão da moça.

O voo era de ponte aérea: ele tem viajado entre o Rio e São Paulo para cuidar do carnaval das duas escolas.

Na publicação, Paulo – conhecido no dia-a-dia de trabalho por ser exigente demais – escreveu: “Imagina você pedir um cafezinho no avião e a comissária responde: ‘Quando der, eu trago!’. Parece piada de avião, não é? Mas não é piada! Essa foi a resposta que recebi da comissária da Azul. Esse tipo de gente não pode trabalhar com o público… Culpa da Azul deixar uma pessoa dessa ser tripulante… Saudades da Varig!“. O artista expôs ainda o nome da profissional, mas a Coluna do Leo Dias não fará o mesmo.

Tripulantes de diversas companhias aéreas se mobilizaram para criticar a publicação de Paulo. Eles denunciaram o post por assédio e bullying e chegaram a planejar apresentar uma queixa ao Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) contra a atitude do maior campeão da Sapucaí na última década.

As reclamações da classe fizeram o carnavalesco bloquear comentários na publicação antes de apagá-la. Os colegas comissários que fizeram coro também pontuaram que, apesar da pegada futurista de seu carnaval, Paulo parou no tempo quando o assunto é aviação: “A Varig acabou, querido. Se liberta”.

A Coluna procurou Paulo Barros, que não quis se manifestar sobre o conteúdo da publicação. Ele afirmou apenas que apagou o post por sentir que já tinha feito seu “papel de denunciar uma má profissional”. Ele também afirmou que “posta e apaga quando decide”, afinal, o Instagram é dele.

Com colaboração de Lucas Pasin

O conteúdo publicado nesta Coluna não corresponde necessariamente à opinião ou à postura do Jornal de Brasília, de forma que o jornalista subscritor é inteiramente responsável pelo teor da matéria.


Leia também
Publicidade