Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Rejuvenescer

Hormônio D e depressão, qual a relação?

Hormônio D e depressão, qual a relação?

A depressão maior é hoje a principal doença psiquiátrica, afetando em 1 em cada 10 pessoas. Os sintomas incluem: sentimento de inutilidade, vazio, perda de interesse pela vida e perda de prazer nas atividades diárias. Pode exigir tratamento de longo prazo e muitas vezes os sintomas reaparecem após uma melhora inicial. Não se sabe a causa exata dessa moléstia, por isso pesquisadores estão sempre tentando descobrir os mecanismos envolvidos para conseguir determinar possíveis tratamentos.

Recentemente, foi descoberto uma ligação entre níveis de hormônio D e depressão. Não é uma relação completamente entendida, ou ainda, inequívoca, pois não sabemos se é a depressão que causa baixos níveis de hormônio D devido à menor exposição solar ou se baixos níveis levam ao aparecimento da doença.

Os receptores de hormônio D (VDRs) foram inicialmente encontrados no cérebro, abrindo caminho para posteriores estudos para se entender essa relação de forma mais aprofundada. Uma crescente quantidade de estudos evidenciou que uma das funções desempenhada é a de regulação e estímulo de potentes agentes neurotróficos como NGF, BDNF e NT-3. Todos cruciais para a sobrevivência, migração e crescimento neuronal, que podem ser vias para o tratamento da enfermidade.

Fluoxetina com hormônio D é mais efetivo para tratamento da depressão na população em geral do que apenas fluoxetina. Três estudos pilotos mostraram melhora em sintomas depressivos após serem ministradas doses de 1 a 3 meses. Um outro estudo envolvendo 441 pacientes mostrou melhoras de sintomas depressivos maiores do que placebo após 1 ano de suplementação.

Dessa forma, temos hoje não apenas evidências bioquímicas da importância do hormônio D no sistema nervoso central, mas também estudos randomizados mostrando benefício de uma adequada suplementação. Próxima vez que vermos alguém acometido pela moléstia, perguntemos como anda sua suplementação, pois podemos salvar vidas.






Você pode gostar