Jornal de Brasília

Informação e Opinião

JBr Pets

Seu pet não pode viajar com você nas férias? Conheça alternativas para o período

Médica-veterinária e executivo de plataforma pet trazem recomendações

Foto: Marcelo Krasilcic

Os tutores de pet também merecem lazer, especialmente em julho, mês das férias. Muitos optam por aproveitar o período para descansar e viajar com os bichos, porém nem todos os animais se sentem bem, especialmente em viagens mais longas. Diante desse desafio, o que fazer?

Deixar o pet em casa sozinho, mesmo que com comida e brinquedos preferidos não é uma opção, adianta Jade Petronilho, médica-veterinária comportamentalista e coordenadora de conteúdo da DogHero e Petlove. Além de obviamente não receber os cuidados devidos e ficar desamparado, a médica-veterinária ressalta que deixar o animal sozinho poderia fomentar problemas como a ansiedade por separação, uma condição multifatorial em que o pet não foi habituado a ficar bem sozinho e sofre demais com a ausência de companhia.

“Cães podem manifestar essa condição de diferentes maneiras. Precisamos lembrar que eles são animais que vivem em grupos e, pra eles, não é nada natural que um membro deste grupo simplesmente saia e deixe os demais para trás…o fato de um cão passar o dia todo à espera do tutor ou dormindo, sem nada de atividade, já requer atenção, assim como aqueles que apresentam comportamento destrutivo e/ ou vocalização excessiva com latidos e uivos.. Gatos também podem sofrer, porém costuma ser mais difícil que as pessoas notem. A ingestão de produtos não comestíveis como plástico ou papel, automutilação, arrancar os próprios pelos, irritabilidade, tentativas de fuga e até mesmo passar parte do dia escondido são comportamentos que merecem atenção”, resume a médica-veterinária.

Portanto, em caso de longos períodos de ausência, fora do cotidiano, Jade Petronilho recomenda que o pet seja deixado com amigos, parentes ou cuidadores profissionais para que o animal tenha suas necessidades físicas e psicológicas atendidas.

Mas onde deixar o pet?

Murillo Trauer, diretor da DogHero – sinônimo de categoria e maior empresa de serviços para pets da América Latina – explica que cuidadores existem justamente para suprir os momentos de ausência dos tutores e acrescenta que os heróis, como são chamados os parceiros profissionais da DogHero, são designados para manter a rotina e cuidados que o animal já está acostumado.

“Os tutores querem aproveitar o momento de descanso e precisam de alguém em quem confiar para atender e cuidar do pet. Desta forma, a DogHero se apresenta como uma alternativa responsável e capaz de promover os cuidados necessários por categorias como pet sitter, quando o herói vai até a casa do pet, ou hospedagem e creche, quando o animal é recebido pelo anfitrião” ressalta o diretor.

A comportamentalista veterinária pontua que independentemente da forma de atendimento escolhida, os tutores devem preparar a mochilinha do pet e levar alguns pertences essenciais para os cuidadores como guia e coleira, brinquedos preferidos, ração, tapete higiênico, caixas de areia e medicamentos, caso faça uso, para que o animal tenha todos os elementos para uma estadia mais tranquila e recheada de bem-estar. “Quando pensamos em gatos, o ideal sempre será que eles fiquem em casa e contem com a ajuda de uma cat sitter, pois podem estranhar e até adoecer ao irem para outro ambiente”, pontua Jade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além disso, a profissional recorda o zelo com a saúde, importante não só para os momentos de estadia, mas também para o cotidiano. “É importante que o pet esteja vermifugado, com antipulgas e carrapatos em dia, com todas as vacinas essenciais, com consultas de rotina recentes”, recorda Petronilho.






Você pode gostar