Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Prazeres do vinho

O vinho cai no gosto dos jovens

O crescimento do consumo de vinhos pelos jovens faz com que produtores refletirem sobre o que produzir para atender a esses novos consumidores

Por Dai Teixeira 03/12/2021 5h02
O vinho cai no gosto dos jovens

Considerada a bebida do momento, o vinho, antes associado a ambientes requintados, momentos especiais e consumida somente por pessoas mais velhas e com paladares mais experientes vem ganhando, a cada dia, mais adeptos. Notadamente, durante a pandemia, o vinho tem roubado a cena em relação a outras bebidas alcoólicas e conquistado cada vez mais o gosto dos jovens.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Wine Market Council em 2015 com pessoas dos 21 aos 38 anos nos Estados Unidos, 159,6 milhões de caixas de vinho foram destinadas ao público jovem, representando 42% do vinho consumido no país naquele ano. Além disso, dois terços dos apaixonados por vinho são mulheres, o que também chama a atenção nessa faixa etária, tendo em vista que, de acordo com o mesmo estudo, após os 38 anos o consumo entre os dois sexos fica equilibrado.

Os Millenials, estão na mira dos produtores de vinhos por diversos motivos. Primeiro é importante lembrar que esse consumidor não costuma ter um poder de compra muito elevado, buscando vinhos com propostas de bom custo-benefício. Em ocasiões mais especiais, em vez de gastar com um vinho de mais qualidade, acabam optando por um diferente, feito com uma uva ou processo atípicos, ou seja, bebidas jovens, frutadas e para consumo rápido. 

Os produtores perceberam que o público mais jovem é uma grande oportunidade de mercado para inovar e vender vinhos mais simples e em larga escala. Além disso, por estarem sempre conectados, esses jovens acabam compartilhando informações e opiniões sobre os produtos, servindo de feedback e de possibilidades de enxergar novos mercados.

Um exemplo disso são as embalagens on the go como as dos vinhos em lata e as bag in box que são embalagens modernas que visam atender a necessidade desse público, que tem o costume de se reunir para festas e churrascos em ambientes mais descontraídos, necessitando de um formato mais prático para o transporte e consumo.

Outro ponto a ser considerado por esse novo público é o fator saúde. O vinho possui menos açúcares e teor alcóolico do que os destilados pesados, também muito consumidos pelos jovens. Isso, aliado ao fator social e econômico, além de toda a aura de glamour proporcionada pela cultura do vinho, acaba atraindo muito mais o público a experimentar a bebida e mudar seus hábitos.

É muito bom ver a cultura do vinho se espalhando dessa forma, quebrando antigos paradigmas de que o vinho é uma bebida cara, a ser apreciada somente por pessoas mais velhas. A popularização da bebida pelos jovens nos mostra sempre há espaço para inovar e crescer, e isso vêm ocorrendo não apenas nos Estados Unidos, como mostrou o estudo, mas no mundo todo inclusive aqui no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar