Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Prazeres do vinho

O assédio e os desafios das empreendedoras que trabalham no comércio de vinhos

Como se posicionar em um mercado dominado por homens e ainda muito machista?

Por Dai Teixeira 01/10/2021 11h56
O assédio e os desafios das empreendedoras que trabalham no comércio de vinhos

Em um mercado tradicionalmente dominado por homens, empreendedoras e sommelières lidam com um comércio hostil que incluem investidas sexuais indesejadas, convites inconvenientes, prejuízos nas avaliações devido à vingança, intimidação para evolução de carreira, insinuações e até mesmo assédio moral.

De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 52% das mulheres economicamente ativas em todo o mundo já passaram por situação de casos de assédio no ambiente profissional. São alguns dos exemplos que permeiam a vida de mais da metade das profissionais do gênero feminino.

Mesmo com dados tão assustadores, o número de mulheres que abriram o seu próprio negócio aumentou significativamente nos últimos anos no Brasil. E durante a pandemia, com o isolamento social houve um aumento absurdo no consumo de vinhos. O mercado se abriu a novas possibilidades, o que facilitou o aparecimento de profissionais na arte de elaborar, vender, degustar e ensinar sobre a bebida. Elas chegaram para comandar vinícolas de sucesso e se tornarem sommelières reconhecidas internacionalmente.

E esse número seria muito maior, se não fosse pelas mulheres que ainda têm medo e não confiam que possam trabalhar em um mercado estigmatizado pela maioria dos profissionais serem homens e ainda muito preconceituosos. Por isso é importante ‘vencer a barreira interna’ e se permitir viver a aventura do empreendedorismo feminino, além de colher os frutos que isso pode gerar. Mais do que um retorno financeiro, exercer uma atividade principalmente quebrando barreiras como a do mundo dos vinhos é causar uma transformação social e ter a possibilidade de realizar trocas, se comunicar e compartilhar experiências.

Então empreendedoras se conectem com seus sentimentos e identifique como gostariam de ser tratadas, estudem muito e enfrente isso de frente, e caso haja, de fato, a discriminação por gênero, deve ser feito uma denúncia ao Ministério Público do Trabalho. Qualquer situação de desconforto deve ser tratada, independente da amplitude. Casos de assédio contra mulher era, até pouco tempo, naturalizado e legitimado no ambiente de trabalho, mas é uma violência de gênero que traz danos profundos e traumas irreversíveis para as profissionais.

Ter mulheres como referência no mundo dos vinhos é importante para incentivar outras profissionais a buscarem o mesmo e, assim, aumentar a quantidade do público feminino no comando dessas empresas”.

Daiany Nasteoli

O mais importante aqui é perceber o quanto uma ação empreendedora independente do setor, pode mobilizar a realidade das mulheres, simplesmente por possibilitar a abertura de novos caminhos e perspectivas. E a importância das mulheres não se limita apenas em movimentar a economia do país, por exemplo. Representatividade no mercado de trabalho pode ser levada para o lado de questões sociais, pois afeta um grupo muito grande de pessoas.

Posso dizer que faço o que mais me assusta todos os dias, já fui muito criticada, principalmente por ser mulher e jovem, muitos achavam que eu não seria capaz, que não tinha conhecimento suficiente. Já fui e sou assediada, mas isso nunca me parou e nunca me fez desisti e hoje sei lidar muito bem com tudo isso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se eu consegui, qualquer mulher que realmente queira, tenha dedicação e muita fé também pode. Eu realmente sei das dificuldades que todas nós enfrentamos, mas acreditem não permita que o medo e situações ruins parem vocês.

Lidar com qualquer tipo de assédio significa saber o que está acontecendo. Assim, sempre é bom ter em mente e descrever o comportamento em que você identifica isso, em termos objetivos. Essa constatação é a sua declaração e se a pessoa violar o seu espaço, não permita que a pessoa possa fugir. E o mais importante é continuar, mesmo diante às adversidades. Não se apegue a coisas negativas, passe por cima e não aceite críticas de pessoas que não tem coragem pra viver.

E eu finalizo o texto de hoje com uma frase de um dos empreendedores que mais admiro no Brasil.

“Você tem muito poder e quando se der conta disso não conseguirá mais parar de conquistar o que deseja. Você tem o pode de construir a realidade que você tanto quer, mas para isso não basta apenas pensar, sonhar, é necessário agir para realizar! Use os seus poderes para compreender, atender, servir e proteger pessoas. Falo por experiência própria, tudo o que desejei conquistei primeiro na mente, depois entrei em ação”.
Geraldo Rufino

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sou muito grata ao Geraldo Rufino, depois que assisti um TEDTalks dele onde ele conta a sua trajetória nunca mais parei de segui-lo. Ele iniciou a vida como catador de latas na periferia de São Paulo e fez suas primeiras investidas como empreendedor aos oito anos. De office-boy a diretor de operações no PlayCenter, ele quebrou seis vezes, sempre olhando todas as experiências de forma positiva e enriquecedora. E se tem uma pessoa no mundo que realmente sabe o significado das palavras ressignificar e resiliência essa pessoa é ele, um homem que admiro não só por motivar e dar novas perspectivas todos os dias há milhares de pessoas, mas pelo espírito de gratidão e bondade. Hoje além de empreender ele é palestrante e escritor.

Viva ao Brasil e a todas as mulheres fortes que enfrentam todos os dias as batalhas mais difíceis, mas sempre com um sorriso no rosto.

E no espírito das “ideias que merecem ser espalhadas”, super recomendo o vídeo abaixo! Vale a pena cada segundo:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar