Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Estilo de Vida

A importância de se falar sobre festa junina em sala de aula

Tratar o tema com alunos é promover um resgate cultural e interagir com toda a comunidade escolar, incluindo pais e responsáveis

Os meses de junho e julho são marcados por comemorações em várias regiões do Brasil, que são conhecidas como festas juninas. Mais do que celebração, abordar o tema propicia o trabalho com a grande diversidade cultural que existe em nosso país. Além disso, trata-se de um tema que, por vezes, aparece em vestibulares e no Exame Nacional do Ensino Médio.

Para o professor e mantenedor da rede Agnus, Alexandre Ferreira Lima, a festa junina tem muita força no Nordeste, mas se espalha também por todo o país. Segundo Alexandre, tratar o tema com os alunos é promover um resgate cultural e é um momento em que a escola consegue interagir mais com os alunos e responsáveis na organização dos festejos, seja na gastronomia, trajes típicos e danças.

“As festas juninas têm uma grande valia, principalmente para o Nordeste porque traz uma cultura de colheitas. Cultivamos a questão das fogueiras, dos fogos, das danças, como quadrilha, coco, dança da fita, xaxado e o forró pé de serra. Abordar o tema em sala de aula é fazer um resgate cultural dessa tradição. Estamos numa época de globalização, se não tomarmos conta, não cuidarmos e não termos zelo pela cultura e pela tradição de cada região, isso pode se perder ao longo do tempo”, afirma.

“Dentro da escola toda, desde o pessoal de apoio aos professores, os diretores, todos estão envolvidos com a festa, na decoração, na preparação com as bandeirinhas, brincadeiras, pescaria, eleição da rainha do milho, bingos… é toda uma vivência muito legal dentro de uma escola, por meio de uma festa tão grandiosa como a festa junina. Não se resgata só a cultura, mas cria a unidade da escola”, diz.

Plano de ensino

A coordenadora editorial de humanas do SAE Digital, Emanoelle Almeida, diz que trabalhar tal tema é uma forma de atender à cartilha e às regulamentações que regem a educação em nosso país, que preveem o trabalho com competências e habilidades que auxiliem os alunos a compreender o mundo que os cerca , bem como seu protagonismo na busca de uma sociedade mais justa e inclusiva. De acordo com Emanoelle, discutir o assunto com os alunos também é uma forma de trazer outros temas ligados à festa, como solidariedade e respeito à diversidade, presentes na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

“A riqueza cultural de nosso país é fruto da existência de diferentes povos e da mistura entre eles. Para que possamos desenvolver o protagonismo e a autonomia dos alunos na busca por uma sociedade mais justa e solidária, a valorização e respeito à diversidade são recorrentes em nossos materiais. Essa forma de pensar é vivenciada no dia a dia e em tudo que fazemos aqui no SAE Digital”, explica Emanoelle.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar