Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Entretenimento

Com a palavra, os técnicos estreantes da família ‘The Voice’

A temporada, que estreia ainda esse mês, contará com dois novos jurados; Toni Garrido e Fafá de Belém falaram sobre o programa.

A temporada, que estreia ainda esse mês, contará com dois novos jurados; Toni Garrido e Fafá de Belém falaram sobre o programa. Foto/Reprodução

A partir deste domingo, dia 30, Toni Garrido e Fafá de Belém estreiam em suas cadeiras vermelhas no ‘The Voice+’, versão do reality dedicado a participantes com mais de 60 anos. Em entrevista, os novos integrantes da família ‘Voice’ não escondem a alegria de fazer parte do time de técnicos, composto também por Carlinhos Brown e Ludmilla. Eles revelam a emoção dos bastidores da atração e adiantam um pouco do que está por vir na primeira fase do programa: ‘Audições às Cegas’. 

Com direção artística de Creso Eduardo Macedo, a nova temporada do ‘The Voice+’ vai ao ar na TV Globo aos domingos, após ‘Temperatura Máxima’, e às terças-feiras, às 20h, no Multishow.

Entrevista com Toni Garrido 

Na entrevista, o artista contou quem foi a sua maior incentivadora na música e suas expectativas para o programa. Ton afirmou que Ofélia foi a mulher que o criou junto com sua mãe e que ela foi sua maior incentivadora.

Ela acreditou, ou melhor, criou a história de que eu cantava. As visitas chegavam na sala de casa e, certa hora, ela dizia: ‘Toninho canta muito bem, você já viu? Canta uma música, Toninho’. Sem dúvida nenhuma, foi ela que me estimulou a me dedicar à música, às artes, contou.

Foto/Reprodução

Toni Garrido garantiu que já viveu muitas emoções durante a gravação do “The Voice+”. O artista disse que a edição “é um mosaico de momentos ora emocionantes, ora divertidos, ora surpreendentes, mas sempre superlativos”.

Ele ainda compartilhou seu sentimento de participar dos sonhos dessas pessoas.  “Eu estou muito feliz por fazer parte da realização dessas pessoas. É maravilhoso participar desse sonho. Costumo dizer que a parte mais legal do jogo não é virar a cadeira, mas sim estar aqui, no grande momento de gala da sua vida, da sua história, da sua música, da sua representação, em que você consegue se expressar para milhões de pessoas por minuto. Isso é indescritível”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entrevista com Fafá de Belém 

Para Fafá, a família inteira foi o maior incentivo para cantar e amar a música, por serem muito musical. As expectativas da artista para o programa é a melhor possível. 

Eu fiquei muito feliz com o convite para participar do The Voice. Até mesmo porque vou conseguir interagir com os outros técnicos, que fazem parte de uma geração de cantores que não é a minha, mas que adoro. E acredito que eu posso aprender muito com eles. Acho que a gente pode trocar, estou muito feliz. O que eu espero de mim? O chororô (risos). Tenho certeza que terá gargalhadas, mas lágrimas também”, contou. 

Foto/Reprodução

A cantora garantiu que para virar a cadeira ela prioriza a afinação e a emoção. “Não existe cantar desafinado. Quem escreveu a música, escreveu todas as notas. Então, observar as notas. Quer fazer uma bossa? Ok. Mas sair do tom, não. Esse é meu critério fundamental. Assim como emoção. Não adianta, também, você ficar ligado só na nota e na técnica e não passar emoção, não arrepiar as pessoas. Não as fazer chorar, não as fazer gargalhar, não sentir que você faz parte da vida do público. Isso é minha orientação, para mim e para a vida. Eu estarei atenta, basicamente, a isso. A técnica é fundamental para ajudar, a base para construir tudo isso, mas um cantor frio, para mim, não rola”, finaliza. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar