Celebridades

Criolo faz show tecnológico e diz que país vive um tempo fúnebre

O músico diz que sua participação na criação do conceito visual do show foi servir de inspiração. “A minha contribuição veio pela música”

Faz dez anos que Criolo declarou a plenos pulmões que “não existe amor em SP”. A música faz parte de “Nó na Orelha”, álbum que o projetou fora da quebrada. Uma década depois, com uma carreira consagrada –que ele ainda chama de “micro”–, o cantor se prepara para homenagear a cidade de outra forma.

Neste sábado, às vésperas do aniversário da cidade, ele lança o primeiro show em realidade estendida do Brasil. A apresentação, dirigida por Denis Cisma e Tito Sabatini, deve contar com hits de toda a carreira e com os mais novos singles –”Sistema Obtuso”, parceria com o duo Tropkillaz lançada em dezembro, e “Fellini”, faixa produzida por Neguim e Deekapz que chegou às plataformas no começo do ano. Mas é o formato que promete surpreender os fãs.

“Minha nossa”, diz o cantor quando toca no assunto. “É difícil de explicar sem dar spoilers”, brinca. Ele adianta que, enquanto estará num estúdio, cada música será apresentada com uma ambientação diferente, em que o que tem de verdadeiro ao redor dele vai se misturar ao que foi criado por artistas visuais. Não só isso, mas ele poderá interagir com o cenário, como se estivesse dentro de um game.

Ele diz estar feliz de ter contado com uma equipe técnica brasileira para desenvolver todo o projeto. “Está muito especial, estou muito orgulhoso porque é uma celebração da vida e do potencial do nosso povo”, afirma. Até agora, a novidade só foi testada ao vivo no exterior, por nomes como o canadense The Weeknd.

O próprio Criolo já brincou com as possibilidades da realidade estendida no clipe de “Sistema Obtuso”, mas agora toda a performance vai ocorrer enquanto os espectadores veem. Ele tem ensaiado e acompanhado as reuniões com o time que desenvolve cada ambientação para que tudo saia como o planejado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O músico diz que sua participação na criação do conceito visual do show foi servir de inspiração. “A minha contribuição veio pela música. Num segundo momento, fizemos uma troca de impressões.”
Agora, se a apresentação vai esbanjar modernidade, não faltará ternura nem interação com o público. “A tecnologia tem que ser suporte para a afetividade”, afirma o cantor, que não consegue imaginar um futuro em que não haja shows presenciais. “Nada substitui a presença do público, pode inventar o que quiser.”

“Mesmo assim, o cantor teve como um de seus refúgios durante a pandemia a Criolo TV, canal que criou em junho de 2020 no Twitch, plataforma de transmissões ao vivo de vídeo, muito usada por gamers. Além de cantar, conversar e ler versos, ele a usa para interagir com fãs, com quem diz também aprender muito, de novas tendências a física quântica. “Eu costumo chamar de nosso oásis digital”, comenta.

E não é só a pandemia que o preocupa, mas o “momento fúnebre” pelo que passa o país. Em “Fellini”, por exemplo, trata de temas como censura e extermínio cultural, que ele acredita estar muito em voga. “A arte sempre foi caçada, mas agora está ainda mais”, afirma. “Estamos vivendo o momento mais fúnebre do país.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda assim, diz que não quer “afogar os nazis”, como sugere a letra da música. Ele diz se identificar mais com o verso seguinte, em que diz “não ser violento nem querer ser”. “Não adianta, a saída é mesmo a educação”, diz o filho de uma professora, de quem costuma ler poemas nas lives.
*
Criolo XR
Sábado (23), às 21h (com aquecimento a partir das 20h30), em twitch.tv/criolo. Grátis

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar