Siga o Jornal de Brasília

Entretenimento

Roger Waters traz política, rock e nostalgia a Brasília neste sábado (13)

Beatriz Castilho, com agências
[email protected]

É essa a vida que realmente queremos? O questionamento intitula o mais recente álbum da carreira solo de Roger Waters. O disco quebra um hiato de 25 anos na carreira do músico de 75, e reforça seu inconformismo político de mais de meio século. À frente das letras do lendário grupo Pink Floyd, o músico permeou a carreira com a acidez de suas letras, abordadas em época de banda e fora dela.

Perpassando diferentes momentos da trajetória, o britânico chega ao Brasil para sete apresentações da turnê Us + Them, fazendo Brasília de palco neste sábado (13).

“Os shows serão uma mistura de coisas da minha longa carreira. Coisas dos meus anos com o Pink Floyd e também algumas coisas novas. Provavelmente, 80% do repertório serão materiais antigos e 20% de materiais novos, mas tudo conectado por um tema geral. Será um show legal, eu prometo!”, afirma o roqueiro.

Leia mais: Página de Roger Waters vira campo de batalha após críticas a Bolsonaro em show

Título da sétima faixa do álbum The Dark Side of the Moon (1973), assinada por Roger e Richard Wright (1943-2008), Us + Them (Nós e Eles, em tradução livre) aborda o clima de polarização social durante e após uma guerra, explicitada na composição. Vendido como o maior espetáculo da Terra, o concerto que Waters traz ao País luta pelo posto.

Além das duas horas e meia de apresentação, o show conta com mais de 720 m² de painéis de projeção, ambientando visualmente a experiência musical. Tudo começa com Speak to me e Breath (In the Air). Dentre as clássicas Another Brick in the Wall, Wish You Were Here, Money e Eclipse, o concerto conta com Pigs (Three Different Ones) como um de seus ápices.

Inspirada na obra clássica de George Orwell, Revolução dos Bichos, a composição condena uma figura de poder (social, econômica e/ou política). Ao vivo, Pigs recebe um cenário gráfico inspirado na capa do disco Animals (1977). Ou seja, além da projeção de uma fábrica, um porco voa, literalmente, sobre a plateia – com o adicional de imagens de Donald Trump nos telões.

Uma banda ímpar

Super fã: Tadeu Siqueira, 47, é fundador de fã-clube e dono de coleção com 600 itens
(Crédito: Myke Sena/Jornal de Brasília)

Pink Floyd nasceu há 53 anos em Londres, na Inglaterra. Originalmente contava com Nick Mason, Rick Wright, Roger Waters e Syd Barret. Em 1967, lançavam The Piper at the Gates of Dawn. Barrett foi substituído por David Gilmour seis meses depois. O resto é história.

Ao lado de King Crimson, com In The Court of Crimson King (1969), Yes, com disco homônimo (1969), e Genesis, com Nursery Cryme (1971), Pink Floyd se tornou uma das bandas pioneiras do rock progressivo ao lançar Meddle (1971). Neste mesmo ano, nascia o taguatinguense Tadeu Siqueira, 47. A paixão pelo rock teve início aos 9, por influência de um tio. Elvis Presley era escutado em família, mas foi Pink Floyd que lhe chamou atenção. “Conheci a banda assim que saiu The Wall (1979). Pronto, abriu a minha cabeça”, lembra o servidor público.

A admiração se materializou em uma coleção que hoje soma quase 600 itens. Discos, DVDs, revistas… Siqueira formalizou o amor com um fã-clube, criado em 1991, com o amigo Patrício Maia, responsável por lhe apresentar o som da banda ainda na infância.

Roger Waters veio ao Brasil três vezes. Tadeu acompanhou todas. Em 2002, na turnê In the Flesh, no Rio; Dark Side (2007) e The Wall (2014), ambas em São Paulo. Em Brasília já é presença certa.

Tadeu descreve a banda como liberdade. “É uma paz interior, sem palavras, surreal. Pink Floyd é uma banda ímpar”. Quanto à canção preferida, o fã toma um tempo para pensar. Elege Comfortably Numb, coincidentemente, a escolhida para fechar a apresentação de Waters por aqui. “É, o menino vai chorar”, finaliza o fã.

Serviço
Us and Them – Roger Waters
Neste sábado (13), às 21h30 (abertura de portões às 17h)
No Estádio Nacional Mané Garrincha (Eixo Monumental)
Ingressos: R$ 120 (cadeira superior), R$ 170 (pista), R$ 245 (cadeira inferior) e R$ 360 (pista Premium ELO)
Valores referentes à meia-entrada e sujeitos a alterações sem aviso prévio
Não recomendado para menores de 16 anos

Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA